Logo da CBIC

Agência CBIC

31/01/2012

Tecnologia muda rotinas na construção de imóveis

"Cbic"
31/01/2012 :: Edição 257

 

Jornal Valor Econômico/BR 31/01/2012
 

Tecnologia muda rotinas na construção de imóveis

Mercado Processos industrializados aumentam produtividade na obra

Esqueça as antigas pás de pedreiro. Hoje, as obras contam com equipamentos que aumentam a produtividade, como lixadeiras elétricas, pernas mecânicas que ajudam na pintura de tetos e pistolas de tinta que substituem os pincéis e rolos. Algumas inovações são criadas de acordo com a necessidade dos canteiros e há avanços na construção de moradias pré-fabricadas. Um parque tecnológico voltado para pesquisas de novos produtos para o setor, com investimentos de R$ 25 milhões, deve ser construído neste ano, no Distrito Federal.
 O mercado já oferece sondas automatizadas para a investigação de terrenos, máquinas de múltiplas aplicações, com funções de empilhadeira, pá carregadeira e guincho; além de britadores de resíduos e guindastes com maior capacidade, diz Wilson Shoji Iyomasa, professor do curso de engenharia civil da Universidade Anhembi Morumbi. A aceleração de obras relacionadas com a Copa e com residências de interesse social, além de novas redes de infraestrutura, linhas metroviárias e rodovias, deve movimentar a indústria de equipamentos para a construção civil, durante 2012, avalia. A maior parte dos produtos que usa tecnologia de ponta é importada.
 Pernas mecânicas, feitas de alumínio, substituem os andaimes para serviços de pinturas de forros 
 Uma das novidades nos canteiros são pernas mecânicas, feitas de alumínio, que substituem os andaimes para serviços de revestimentos e pinturas de forros. Alguns modelos, que lembram pernas de pau mais modernas, alcançam até três metros de altura. Um sistema de molas ajuda a amortecer os movimentos do trabalhador no solo. O mercado brasileiro vai experimentar avanços em tecnologias embarcadas, no uso de novos materiais para aumentar a capacidade de construção e em equipamentos para reciclagem de materiais, por conta de questões de sustentabilidade, diz Iyomasa.
 Sediada em Camboriú (SC), a Via Trade se especializou na importação de máquinas, ferramentas e equipamentos para o setor. Mais de 85% dos clientes são pequenas e médias construtoras. O negócio começou em 2005, com três funcionários e hoje emprega 80 colaboradores, com um faturamento de mais de R$ 6 milhões. Vendemos mais de 30 tipos de produtos, explica a diretora Roberta Quentel de Mello. Os equipamentos mais procurados são cortadoras de paredes que chegam a cortar um metro de tijolo em menos de 20 segundos, minigruas para a elevação de cargas de até 500 quilos e escoras metálicas que substituem a madeira.
 Em 2012, a empresa pretende adicionar pelo menos cinco novas linhas no catálogo, como máquinas de elevação de carga e de equipes de trabalho. Até dezembro, vai investir R$ 1 milhão em estrutura operacional, melhorias no setor de logística, pesquisa de novas tecnologias e na participação de feiras de equipamentos. Esse valor representa mais do que o dobro do montante aplicado em 2011, diz Roberta.
 Na SH, empresa fluminense que vende e aluga formas, andaimes e escoramentos, as principais novidades em 2012 são formas de alumínio para paredes de concreto e mesas deslizantes para escoramento de lajes. No ano passado, para incrementar as vendas, investiu na segmentação de entregas por tipo de cliente e ramo de construção. Criamos um site para compartilhar ideias entre clientes, fornecedores e universidades da área da construção, conta o diretor de negócios Marcelo Milech.
 A SH também ficou conhecida no mercado por criar o Lumiform, uma forma para concretagem rápida de casas e apartamentos, em ciclos de dois dias de construção. De acordo com a empresa, as formas substituem os blocos de alvenaria e eliminam as etapas de chapisco e reboco, cortando custos e prazos, com até 85% de ganho de produtividade. A residência fica liberada para acabamento já com as tubulações e a montagem funciona como um 'lego', encaixando as partes de acordo com o projeto.
 A tendência no setor é a maior industrialização dos processos produtivos na construção civil, com novas tecnologias ligadas à preservação do ambiente, diz Paulo Simão, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). A entidade mantém um programa de inovação tecnológica (PIT) para estudar e definir diretrizes para o desenvolvimento e difusão de novas invenções.
 Na área de casas pré-fabricadas, a paranaense Terra Brasil também desenvolveu um conjunto de vigas e painéis de concreto armado para paredes, voltado para moradias de portes variados. O sistema promete reduzir a necessidade de mão de obra e não usa formas de madeira.
 O segmento de construção em moldes industriais ainda é pouco explorado e precisa desenhar melhor custos e processos para ganhar mercado, avalia Sérgio Guimarães Pereira Jr., diretor da Vallor Urbano, empresa especializada em urbanização.

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Aconvap
Sinduscon-TAP
AELO
Ademi – DF
Sinduscon-MT
Sinduscon-AL
Sinduscon-Oeste/PR
Ademi – ES
Sinduscon – Foz do Rio Itajaí
AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
Sinduscon-RIO
Sinduscon-AM
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
X