Logo da CBIC

Agência CBIC

18/01/2011

Setor comemora ajuste no limite de preço

 

18/01/2011 :: Edição 046

Jornal Diário do Comércio/MG|   18/01/2011
Setor comemora ajuste no limite de preço

Empresários acreditam que alteração adequará valor ao mercado e ao aumento dos custos

 LEONARDO FRANCIA. 
 CARLOS AVELIN/ARQUIVO/DC

 O reajuste no teto do preço dos imóveis que podem ser financiados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a segunda fase do programa "Minha casa, minha vida", do goveno federal, atenderá um pleito antigo do setor. Conforme representantes da construção civil, a alteração vai adequar o valor máximo das habitações, estagnado há três anos, ao mercado atual e ao aumento dos custos, principalmente com mão de obra.

 De acordo com o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), Paulo Safady Simão, o aumento do valor máximo dos imóveis financiados pelo FGTS no âmbito da segunda etapa do projeto do governo federal deve ser anunciado pelo Executivo até o fim deste mês e não vai se restringir apenas às famílias que recebem mais de três até seis salários mínimos e nem apenas às cidades com 1 milhão de habitantes ou mais.

 "O aumento vai ser geral e atenderá às reivindicações do segmento. Os preços máximos estavam estagnados há três anos, período em que houve inflação e aumento dos custos de construção, principalmente no que diz respeito à mão de obra. Neste sentido, o reajuste dos valores será uma adaptação natural ao mercado atual", pontuou o presidente da Cbic.

 Simão revelou, ainda, que o governo federal deve ampliar o teto dos imóveis que podem ser financiados pelo FGTS para famílias com renda até três salários mínimos, de R$ 80 mil para cerca de R$ 100 mil, e para a faixa que recebe de três até seis salários, de R$ 130 mil para algo em torno de R$ 150 mil.

 Para Bráulio Franco Garcia, diretor da Área Imobiliária do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), a elevação do teto para imóveis do "Minha casa, minha vida" financiados pelo FGTS vai colaborar para sanar o problema de escassez de terrenos em cidades maiores.

 "Em Belo Horizonte, por exemplo, a carência de áreas disponíveis para a construção de moradias do pacote habitacional pressionou os preços e inviabilizou o início do programa na cidade, que só entrou na rota depois de um ano e meio", afirmou Garcia.

 Para o diretor do Sinduscon-MG, a medida vai equilibrar a oferta e a demanda por terrenos disponíveis para a construção de imóveis do programa na Capital. "Porém, o aumento do teto para as unidades financiadas pelo FGTS na faixa de três a seis salários mínimos é apenas o passo inicial. O governo federal tem que estender a elevação do valor para outras faixas de renda e para cidades de menor porte, mas com economia em evolução", disse.

 Para se ter uma ideia, a Capital só foi incluída no pacote no final de outubro de 2010. Na ocasião, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) assinou 11 convênios para a construção de 2,726 mil moradias do programa na cidade, que somam investimentos da ordem de R$ 194,25 milhões.

 Do total, 1,470 mil unidades (54%), no valor de R$ 76,71 milhões, serão destinadas às famílias com renda de até três salários mínimos. Outros R$ 117,55 milhões vão beneficiar a faixa de três a 10 salários mínimos, dos quais 480 imóveis (18%) serão para as faixas entre três e seis salários e 740 unidades (28%) para a faixa de seis até 10 salários.

 Recentemente, o Executivo concluiu o leilão do terreno de 7,7 mil metros quadrados que abriga o antigo Mercado Distrital do Barroca, na região Oeste da Capital. Os recursos, conforme já publicado, devem ser revertidos para a construção de moradias do "Minha casa, minha vida".

 O terreno foi arrematado pelo Hospital Mater Dei por R$ 53,350 milhões, montante 173,5% superior ao piso previsto pela PBH, de R$ 19,5 milhões. O objetivo, conforme a direção do hospital, é construir uma nova unidade hospitalar, que deverá ser concluída em 2014.
 

caixa divulga novo balanço nesta semana

São Paulo  – A Caixa Econômica Federal deve divulgar até sexta-feira um balanço detalhado do programa "Minha casa, minha vida" referente a 2010, além do desempenho apurado neste início de ano. Por conta do anúncio, a instituição adotou a política de não conceder entrevistas sobre a questão até o dia da divulgação.

 Entre os pontos que serão detalhados, a Caixa deve informar qual foi o volume contratado por faixa de renda. Originalmente, a meta do governo era contratar 400 mil unidades para famílias com renda de até três salários, outras 400 mil na faixa de três a seis salários e 200 mil na faixa de seis a dez. Com relação ao futuro do programa, especialistas do setor afirmam que o mais importante a ser definido é a questão que envolve os tetos por faixa de renda e os respectivos subsídios. Entre 2011 e 2014, a meta do programa é contratar mais dois milhões de moradias.

 Em 29 de dezembro, ao divulgar números nacionais do programa, o governo comemorou a superação da meta, com 1,003 milhão de habitações contratadas em todas as faixas de renda, atingindo R$ 52,98 bilhões em investimentos. Na ocasião do anúncio, o ministro das Cidades, Márcio Fortes, ressaltou que desde o início do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em 2007, até agora, foram investidos mais de R$ 250 bilhões em habitação. O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) já tem aprovado um orçamento de R$ 46,9 bilhões para este ano, sendo R$ 30,6 bilhões para habitação em geral, incluindo o programa.

 Diante da expressiva valorização do mercado imobiliário, fontes do mercado avaliam que será preciso elevar o valor máximo do imóvel que pode ser financiado pelo FGTS de R$ 130 mil para algo entre R$ 150 mil a R$ 170 mil. "Se for mantido, o atual teto pode tornar o programa inviável para regiões como São Paulo, onde terrenos disponíveis são cada vez mais escassos e os preços continuam subindo", defende Alexandre L. Frankel, presidente da Vitacon Participações, empresa que é especializada em projetos de alto padrão e tem apenas um grande projeto em aprovação nesse faixa de renda, de R$ 100 mil a R$ 110 mil. (AE)

"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 
 
 
"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

22Jan16:0017:30Reunião com a CAIXA: Apresentação Técnica das Melhorias e Respostas às Dúvidas Existentes16:00 - 17:30 Virtual

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
ADEMI – BA
Sinduscon-Costa de Esmeralda
AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
Sinduscon – CO
SECOVI- PB
Sinduscon-Porto Velho
Sinduscon – Foz do Rio Itajaí
Assilcon
SECOVI-PR
Ademi – AL
Sinduscon-Brusque
ASSECOB
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X