Logo da CBIC

Agência CBIC

12/04/2012

Escola nova para suprir carências

"Cbic"
12/04/2012 :: Edição 296

 

Estado de Minas/MG 12/04/2012
 

Escola nova para suprir carências

 Centro de formação profissional do Sistema Fiemg vai passar por expansão. Objetivo é aumentar a oferta de mão de obra

A generalizada carência de mão de obra na construção civil está mexendo com os empresários do setor e motivando investimentos em capacitação. Tanto que o Sistema Fiemg vai ampliar e dar nova forma ao Centro de Formação Profissional Paulo de Tarso, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que somente este ano deve formar cerca de 3 mil profissionais, número acima da capacidade instalada. A construção da nova unidade está prevista para ter início no próximo ano em uma área de cerca de 20 mil metros quadrados localizada no Bairro Gameleira, na Região Oeste de Belo Horizonte, a cerca de um quilômetro do local onde a escola funciona hoje.
 Ainda em fase de estudo, o lançamento do projeto da nova Paulo de Tarso está previsto para ocorrer durante o Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), que será realizado entre 27 e 29 de junho no Expominas como parte da programação da Feira Minascon/Construir Minas. Atualmente, a escola possui 14 salas de aula e sete laboratórios. "Oferecemos curso de aprendizagem em elétrica predial, topografia, além de formação para tecnólogo em gestão e controle de obras, entre outros", pontua o diretor da Paulo de Tarso, Adriano Lopes de Farias.
 Segundo Teodomiro Diniz Camargos, presidente da Câmara da Indústria da Construção Civil da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), o projeto está em fase de discussão junto aos sindicatos da cadeia produtiva. "Vamos ouvi-los para acertar qual será a programação da escola, os cursos oferecidos e infraestrutura de laboratórios e salas de aula", explica. Somente depois desse levantamento, será possível avaliar os investimentos necessários para a construção, que virão do próprio Sistema Fiemg.
 O custo elevado do quadro de funcionários – inflado pela concorrência por profissionais qualificados – tornou-se ponto crítico para a construção civil, que esperava estar entre os 15 setores da indústria contemplados com a desoneração da folha de pagamento anunciada na última semana pelo governo federal. Atualmente, quase 51% do custo total de uma obra é proveniente da mão de obra, percentual que foi de 47% em 2007. "Este é um setor que emprega muito e que acaba sendo altamente onerado pelos encargos. A retirada do imposto da folha como fez (o governo) agora para vários segmentos, seria muito importante", afirmou Teodomiro durante evento de anúncio da Minascon/Construir Minas.
 INCENTIVOS As reivindicações ainda incluem incentivos fiscais como o que foi concedido ao setor de cerâmica, que desde 28 de março teve o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) reduzido de 7% para zero. Avanços como este são fundamentais para valorizar a cadeia produtiva, que vê boa parte de sua indústria migrar para outras regiões. "Minas é uma grande importadora de produtos de alto valor agregado principalmente de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Espírito Santo", afirma Teodomiro que ainda acrescenta: "O estado precisa olhar para dentro da cadeia produtiva da construção para agregar valor a esses produtos". O cenário não deve impedir que o setor cresça 5% este ano na comparação com 2011, quando fechou com ampliação de 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB).  

"Cbic"

 

Agenda de Eventos e Transmissões

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
SECOVI-PR
Sinduscon-TAP
Sinduscon-MT
Sicepot-PR
ASBRACO
Aconvap
SINDUSCON SUL CATARINENSE
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Ademi – SE
Sinduscon-TO
SECONCI BRASIL
Ademi – PR
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC