Logo da CBIC

Agência CBIC

28/12/2010

Um lar para chamar de meu

CBIC Clipping

28/12/2010 :: Edição 031
Jornal Correio Braziliense/BR|   /28/12/2010

Um lar para chamar de meu

Presidente eleita promete construir e reformar dois milhões de moradias durante o seu mandato, mas o país precisará de pelo menos 34 milhões de casas para abrigar as famílias que se formarão nas próximas duas décadas

 GABRIEL CAPRIOLI

 O trecho de um ditado popular sugere: quem casa quer casa. Nunca essa realidade esteve tão próxima dos brasileiros agora, em que a estabilização econômica e o incremento da renda têm permitido a muitas famílias, especialmente as das classes C e D, sonharem com a moradia própria. Mãe do programa Minha Casa, Minha Vida, a presidente eleita, Dilma Rousseff, que tomará posse no sábado, promete construir e reformar 2 milhões de casas e apartamentos em seus quatro anos de mandato. Quase nada diante da realidade que se apresenta para o Brasil, que viverá seu auge produtivo nos próximos 20 anos.

 Além de a primeira etapa do programa governamental ter sido um fiasco, o deficit habitacional continua elevado, estimado em 5,2 milhões de moradias 80% entre as famílias com renda mensal de até três salários mínimos.

 Mas não é só: o país formará 1,7 milhão de famílias por ano a partir de 2011, ritmo que, se mantido pelas próximas duas décadas, resultará em 34 milhões de novos lares. Para atender a tanta demanda, será preciso mão de obra qualificada, insumos e matérias-primas, cuja escassez já assombra empresários e dói no bolso dos consumidores: os custos dos imóveis estão em disparada Brasil afora.

 A depender de como o país vai encarar esses desafios, a expansão da construção civil, alavancada pelo mercado imobiliário, será excepcional. Melhor: movimentará uma cadeia enorme de setores, como os de móveis, decorações, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, que tendem a crescer pelo menos duas vezes mais do que os 5%  anuais estimados para o Produto Interno Bruto (PIB).  Na base de tamanha pujança está o crédito habitacional farto, que, segundo dados do Banco Central, vem crescendo, em média, 50% ao ano.

 Animação

 Cientes desse potencial, em especial entre a classe média emergente (com renda mensal de até R$ 5 mil), instituições financeiras e empresas passaram a desenvolver produtos específicos para tal clientela. Na avaliação da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC), são essas famílias que manterão o mercado aquecido. A presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda Ramos Coelho, não esconde a animação. Responsável por 70% dos financiamentos, a instituição pública vai liberar R$ 70 bilhões neste ano contra R$ 47 bilhões de 2009.  Com a reserva de recursos que temos, podemos operar com tranquilidade até o fim do ano que vem (2011) , afirma.

 O total de unidades financiadas com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da caderneta de poupança deve chegar a 950 mil neste ano, pelas contas da CBIC. Se confirmado, o volume será 39,5% superior ao de 2009 e mais de quatro vezes que o registrado em 2002.

 O bancário Leandro Oliveira Álvares, 25 anos, é um dos brasileiros que conseguiu realizar o sonho e, em breve, vai morar no próprio imóvel. Ele comprou um apartamento na planta, com dois quartos e previsão de entrega para o fim de 2011. Antes de pronto, o imóvel é mais barato. Como vou me casar na mesma época da entrega, deu tudo certo. Vou financiar no prazo máximo possível , diz.  Hoje, pode-se pagar as prestações em até 30 anos algo impensável há cinco anos.

 Não tenho dúvida de que o mercado imobiliário será responsável por uma profunda mudança no perfil do crédito no país. A tendência é diminuirmos a participação dos financiamentos mais curtos, voltados para o consumo e aumentar as linhas disponíveis para aquisição patrimonial , afirma José Henrique Silva, gerente de crédito imobiliário do Banco do Brasil. Para ele, o alongamento dos prazos e a redução das taxas de juros devem tornar os parcelamentos mais atraentes. A base da mudança está no aumento dos níveis de emprego e renda. Os bancos, por sua vez, estão melhor respaldados juridicamente contra os mau pagadores e, portanto, mais dispostos a emprestar.  Atualmente, o crédito imobiliário responde por cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e, para Silva, essa proporção pode chegar a 10% nos próximos cinco anos.  No caso do BB, devemos dobrar a carteira em 2010, de R$ 1,5 bilhão para R$ 3 bilhões, e a previsão para 2011 é de duplicarmos novamente e chegar aos R$ 6 bilhões , prevê.

 Apesar da aceleração de empreendimentos de infraestrutura, o mercado imobiliário ainda é o segmento que lidera a construção civil. O presidente da CBIC, Paulo Safady Simão, estima que ele represente 40% das obras. Há ainda uma parcela importante de projetos tocados pelos próprios donos dos imóveis. Não à toa, a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) estima que o segmento avançará pelo menos 10% ao ano nas próximas duas décadas. Mesmo sem ainda estar morando em sua casa, Leandro Álvares já prevê gastar R$ 30 mil com reformas.  O sócio da incorporadora Coelho da Fonseca, Rubens Correia, diz que não será apenas o mercado de imóveis novos a impulsionar a economia.

 Também as moradias usadas serão demandadas. Os dois segmentos caminharão juntos , acredita. Ele ressalta, porém, que uma das poucas ameaças ao setor imobiliário é a escassez de mão de obra qualificada. Após quase 30 anos sem investimentos de grande porte, o Brasil se desaparelhou e, atualmente, tanto as construtoras quanto as pessoas físicas têm dificuldade em encontrar profissionais preparados. O reflexo disso é o aumento dos custos das obras que, quando ficam paradas à espera de trabalhadores, saem mais caras.

 PREÇO DA ESCASSEZ

 Pesquisa realizada pela consultoria de Recursos Humanos Wiabiliza estima que, somente por causa da escassez de mão de obra, o encarecimento média dos imóveis em 2010 será de 15%. Um mestre de obras júnior está cobrando R$ 4,7 mil por mês, enquanto um mestre de obras sênior recebe até R$ 8,6 mil.

  Entre os profissionais da engenharia civil, em que a quantidade de trabalhadores qualificados é ainda menor, o salário chega a R$ 11,5 mil mensais. Além da mão de obra, faltam insumos e matérias-primas, também motivo da alta dos preços das moradias.

"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 
 
 
"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

22Jan16:0017:30Reunião com a CAIXA: Apresentação Técnica das Melhorias e Respostas às Dúvidas Existentes16:00 - 17:30 Virtual

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-BC
Sinduscon-Mossoró
Sinduscon-AL
APEOP-PR
Sinduscon-JF
Sinduscon-BA
Sinduscon-SF
Sinduscon-RO
Sinduscom-VT
APEMEC
Sinduscon-TAP
Sinduscon – Grande Florianópolis
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X