Logo da CBIC

Agência CBIC

08/04/2011

Sinais de reconquista

 
08/04/2011 :: Edição 074

Jornal Valor Econômico/BR – 08/04/2011
sinais de reconquista

Com a demanda aquecida e queda das importações, produção de aço vai crescer
20%. por Roberto Rockmann , para o Valor , de São Paulo

Roberto Rockmann

Após um 2009 conturbado pelos efeitos da crise mundial e um 2010 em que as
importações reduziram o espaço do produto nacional e a lucratividade, os altos
fornos das siderúrgicas estão cada vez mais aquecidos.

No primeiro trimestre, a entrada de aço importado caiu, os pedidos de
clientes têm crescido, enquanto as perspectivas futuras são positivas: a Copa
do Mundo de 2014, os Jogos Olímpicos, os investimentos em óleo e gás e na área
de construção civil poderão
dobrar nesta década o consumo per capita de aço, estagnado há 26 anos em cerca
de 100 quilos por habitante. Se há otimismo em relação ao futuro, há ameaças no
horizonte: para avançar, a indústria siderúrgica nacional tem alguns obstáculos
a superar.

"A Copa, os Jogos Olímpicos, o programa de habitação popular Minha Casa Minha Vida e os
investimentos da cadeia de óleo e gás podem induzir que o consumo per capita
passe para 200 quilos por habitante em cinco anos, o que pode fazer com que
muitos investimentos saiam do papel. Mas é preciso enfrentar algumas questões,
comoa carga tributária que afeta a cadeia, problema agravado com o câmbio, que
exacerba as deficiências competitivas", analisa Marco Polo de Mello Lopes,
presidente do Instituto Aço Brasil. Hoje, dia 8 de abril, é comemorado o Dia
Nacional do Aço, data em que este ano as siderúrgicas devem celebrar a retomada
do mercado.

Neste ano, a produção de aço bruto deve chegar a 39,5 milhões de toneladas,
alta de 20% em relação a 2010, com as vendas internas crescendo 16% e atingindo
24,6 milhões de toneladas, segundo o Instituto Aço Brasil. Os embarques devem
ter alta de 42%, alcançando US$ 8,2 bilhões e 12,8 milhões de toneladas. Já as
importações – que atingiam cerca de 5% do mercado e em 2010 chegaram a
responder por uma fatia de 20% do mercado – devem cair 42%, para 3,4 milhões de
toneladas.

"O mercado brasileiro tem boas perspectivas e é factível que possa
crescer 35% a 40% nos próximos cinco anos", diz Ronaldo Valiño, líder de
mineração e siderurgia da PwC Brasil.

No primeiro trimestre, o volume de aço importado caiu para cerca de 135 mil
toneladas mensais na rede de distribuição, bem abaixo do nível de 460 mil
toneladas apurado em outubro de 2010.

"As importações estão caindo, os descontos das usinas estão sendo
retirados em abril e o mercado está comprador ", diz Carlos Loureiro,
presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda).

Os estoques na distribuição, que em 2010 chegaram a quatro meses de venda,
estão perto do nível normal, de 2,6 meses. "A demanda está bastante
aquecida, com muitos projetos de infraestrutura saindo. E não há ainda nenhum
pedido para a Olimpíada e a Copa", diz Christiano da Cunha Freire,
presidente da F r e f e r. De olho no futuro, a distribuidora irá investir R$
20 milhões na aquisição de máquinas e equipamentos e lançou R$ 60 milhões em
debêntures para reforçar seu caixa.

A demanda de aço deve crescer, impulsionada pelo setor de infraestrutura e
de construção civil.

"Muitas empresas terão de aumentar sua capacidade e contratar mais
pessoas para atender aos pedidos da indústria de óleo e gás, que está em franco
crescimento com os planos da Pe t r o b r a s . A indústria naval está
renascendo, e na área de energia elétrica, as perspectivas são positivas, mais
de R$ 200 bilhões devem ser investidos nos próximos anos", diz o
presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base
(Abdib), Paulo Godoy.

A Petrobras deve investir US$ 224 bilhões até 2014, sendo que US$ 212
bilhões serão direcionados a projetos de óleo e gás no Brasil.

Além de produzir e explorar petróleo em fronteiras conhecidas, a estatal se
prepara para avançar no pré-sal, o que tem despertado a atenção das
siderúrgicas nacionais.

No centro de tecnologia da usina de Ipatinga (MG), a Usiminas inaugurou, em
fevereiro, um sistema que funciona como um simulador do processo de produção do
aço para o pré-sal, capaz de testar aços especializados sem que a empresa
precise consumir elevadas quantidades de material produzido.

Em março, a siderúrgica anunciou investimentos de R$ 152 milhões na
modernização tecnológica da aciaria 2 da unidade de Ipatinga, com a instalação
de um desgaseificador a vácuo. A desgaseificação melhora a qualidade superficial
do aço, o que permitiria atender às exigências da indústria do petróleo na
exploração do pré-sal.

A realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos e a construção civil também devem elevar o
consumo de aço no país. No início de março, a Gerdau anun ciou investimentos de
cerca de R$ 2,5 bilhões na expansão da produção de aço e laminados da usina
Cosigua, localizada no Distrito Industrial de Santa Cruz, no Rio de Janeiro. A
capacidade de produção de aço da unidade será ampliada em 50%, chegando a 1,8
milhão de toneladas por ano. Será instalado um novo laminador de fio-máquina e
vergalhões com capacidade instalada de 1,1 milhão de toneladas por ano.

O bom momento do setor poderia ser alavancado nos próximos anos, com uma
estrutura de custos mais eficiente. Câmbio mais competitivo e carga tributária
mais baixa poderiam aumentar a musculatura das siderúrgicas nacionais, em um
momento em que o parque siderúrgico mundial opera com um excedente de 550
milhões de toneladas. "Desoneração é a palavra de ordem", diz Mello
Lopes, presidente do Instituto Aço Brasil.

Estudo da Booz&Co encomenda do pela entidade aponta que a indústria
nacional é bastante competitiva, quando se consideram os custos de produção
para bobina a quente e vergalhão sem impostos.

O Brasil figuraria entre os cinco mais competitivos do mundo.

Com os impostos, que aumentam em mais de 40% os custos de produção, o país
perde competitividade em relação a outros países.


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 


 

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Ademi – ES
Sinduscon PR – Noroete
Sinduscon-ES
Sinduscon-SM
APEMEC
Sinduscon-Teresina
ADEMI – BA
FENAPC
AELO
Sinduscon-RS
Sinduscon-Norte/PR
Sinduscon-PA
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X