Logo da CBIC

Agência CBIC

14/03/2011

Setor quer garantir recursos para o financiamento

 

14/03/2011 :: Edição 055

Jornal O Estado de S.Paulo/BR   |   13/03/2011

setor quer garantir recursos para o financiamento

Dirigente do Secovi pede manutenção de medidas de estímulo para o segmento.
Impacto de programa do governo nos lançamentos do interior é grande

Em Sorocaba, além de estimular lançamentos de alto padrão, comum número
recorde de condomínios verticais e horizontais, o ‘êxodo’ dos paulistanos pôs a
cidade na liderança em lançamentos de unidades com dois dormitórios no
interior.

De acordo com pesquisa do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP)
divulgada no mês passado, o segmento de dois quartos representou 57,2% dos
empreendimentos verticais lançados entre julho de 2007 e setembro de 2010. Esse
percentual representa 5.740 unidades de um total de 10.039.Em número de
unidades, Sorocaba ficou atrás apenas de Campinas (8.358), onde o segmento
representou 42,2% dos lançamentos.

Para o vice-presidente de Interior do Secovi-SP, Flávio Amary, grande parte
desse resultado se deve ao programa Minha
Casa, Minha Vida, do governo federal, à facilidades de crédito e ao
aumento da renda das famílias das classes C e D.

"As ações do governo até aqui foram muito positivas para o setor.

O mercado espera que o esforço para assegurar recursos de financiamento
imobiliário seja mantido", disse.

Segundo Amary, mais de 50% dos imóveis comercializados em Sorocaba nos
últimos meses foram financiados pelo programa.

O público comprador é o trabalhador da classe C. "São imóveis de menos
de R$ 100 mil." O dirigente do Secovi-SP afirma que a redução nos impostos
de material de construção também
trouxe impacto positivo para outros segmentos, inclusive o de imóveis de alto
padrão."O empreendedor tem méritos por ter vislumbrado a oportunidade de
negócios e tomado decisões com agilidade." A mescla de áreas comerciais e
residenciais,um fenômeno recente em Sorocaba e que deve ser intensificado,
acelerou a verticalização de regiões como a do Parque Campolim, na zona rural,
segundo Amary. Ele entende que, em vez de gerar conflitos, a mistura bem
ordenada do comércio com residências melhora a mobilidade, evitando deslocamentos
desnecessários e gargalos no trânsito. Nessa região, foram erguidos 115 prédios
de até 20 andares nos últimos anos.

Desses, 90 são residenciais, voltados para as classes A e B.

Como o boom imobiliário movimenta toda a cadeia da construção civil,o faturamento das lojas de materiais cresce acima
de 20% ao ano,segundo o Sindicato do Comércio Varejista. A intensa atividade já
causa uma falta de mão de obra generalizada,segundo o dirigente do Secovi-SP.

Mão de obra. "Há disputa tão grande por serventes, pedreiros,
assentadores e mestre de obras que algumas empresas continuam pagando o salário
entre uma obra e outra apenas para não perder o profissional", conta
Amary.

Em Jundiaí, embora a maior busca seja por casas, a cidade dispõe de poucos
lotes e o número de condomínios horizontais lançados acaba sendo menor do que o
de verticais.

"Às vezes, as pessoas procuram casa e o preço está alto. Então, ela
opta pelo apartamento, pois os condomínios verticais apresentam opções de lazer
e área verde", afirma a diretora geral do sindicato da habitação da
cidade, Célia Benassi.

O estudo divulgado pelo Secovi apontou que entre abril de 2007 e novembro de
2010 foram lançadas 11.066 unidades em Jundiaí. Os imóveis com tamanhos entre
46 e 65 metros quadrados foram os mais vendidos.

Segundo Célia, essas unidades são mais procuradas por moradores da cidade ou
da região.

O estudo indicou que, no segmento econômico, o preço médio por metro
quadrado na cidade esteve próximo dos R$ 2,2 mil. Nos demais segmentos, variou
de R$ 3,2mil a R$4 mil, valores que também atraem quem pretende sair da capital
e morar no interior.

O Secovi também identifica boa demanda por parte da classe média alta.
"Essa fatia busca casas de 180 a 230 metros quadrados, em condomínios
fechados", afirma Célia. Os valores dos imóveis desse porte são superiores
a R$ 500 mil.

Campinas. Entre fevereiro de 2007 e julho de 2010 foram lançadas quase 20
mil unidades residenciais verticais em Campinas, a 95 quilômetros da capital
paulista.

O preço por metro quadrado na região ficou na média R$ 2,3 mil para o
segmento econômico, e de R$ 3,5 mil a R$ 4,1 mil por metro quadrado para os
demais.

Valores também chamativos para quem pretende morar no interior.


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

22Jan16:0017:30Reunião com a CAIXA: Apresentação Técnica das Melhorias e Respostas às Dúvidas Existentes16:00 - 17:30 Virtual

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
FENAPC
Sinduscon-BNU
Sinduscom-VT
ASSECOB
Ademi – RJ
Sinduscon-TO
SECONCI BRASIL
Ademi – PR
Assilcon
Sindicopes
SECOVI- PB
ASEOPP
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X