Logo da CBIC

Agência CBIC

21/02/2014

Setor produtivo quer ver para crer nas novas metas para 2014

"Cbic"
21/02/2014

Brasil Econômico

Setor produtivo quer ver para crer nas novas metas para 2014 

AJUSTE 2014

Há um consenso de que a comunicação foi positiva. Indústria ainda demonstra ceticismo e comércio comemora

Fernanda Nunes

Bom, mas nem tanto. O anúncio do governo do que seriam metas macroeconômicas mais factíveis para o país em 2014 foi recebido com ceticismo pelo setor produtivo, sobretudo na indústria. Há um consenso de que apenas a sinalização de uma política econômica sob controle é por si só um fator positivo. Mas diferentes instituições e economistas responderam, ontem, de formas distintas as palavras do ministro da Fazenda, Guido Mantega. O ceticismo é proporcional ao desempenho dos setores nos últimos anos.

Assim, comércio e serviços comemoraram a notícia do que seria uma política fiscal mais austera, capaz de contribuir com a atuação do Banco Central e permitir que a taxa básica de juros não alcance patamares tão elevados. "Tudo leva a crer que o Banco Centrai vai aumentar a Selic até 10,75% em 2014 (a projeção anterior era de 11% , com continuidade de alta em 2015). Junto com a queda das taxas futuras, podemos esperar uma atividade melhor", aposta o economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Carlos Thadeu de Freitas. Esta não é, contudo, a percepção homogênea do setor produtivo.

A indústria, por exemplo, a mais castigada nos últimos anos, gostou da comunicação feita à sociedade e aos agentes de mercado de que a política fiscal é importante – destacou o Instituto de Estudos do Desenvolvimento Industrial (Iedi). Mas a entidade duvida da capacidade de o Produto Interno Bruto (PIB) crescer 2,5% neste ano, como previu o governo, devido às dificuldades enfrentadas pela própria indústria.

"É possível que fique mais próximo de 2%", projetou o economista-chefe do Iedi, Rogério César de Souza, ressaltando a permanência de efeitos negativos da importação sobre segmentos mais tradicionais, como o têxtil e de calçados, ainda que o câmbio tenha desvalorizado. Igualmente, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) concorda que o corte do orçamento é bem-vindo, mas questiona a capacidade do governo de cumprir as metas propostas para este ano, com o argumento de que o descumprimento tem sido uma prática recorrente ano a ano. A Fiesp, de São Paulo, não se pronunciou.

Na construção civil.nem mesmo cortes no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) chegou a desanimar o vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. Ele afirma que as obras decorrentes das concessões e dos projetos de parceria público-privada (PPP) serão suficientes para compensar as baixas. O nó da questão, em sua opinião, está nos gastos públicos de custeio, em detrimento do investimento. "É claro que tinha que ser feito algo, um corte inteligente. Foi menor do que o mercado esperava, mas foi factível", avaliou.

O grande mérito de anúncios como os de ontem está na sinalização de solidez conferida ao país, com capacidade de alterar a confiança dos investidores, acredita a economista Monica de Bolle, da PUC- Rio e sócia – diretora da Galanto Consultoria. Ela vê como insuficiente a meta de superávit primário de 1,9% do PIB, que já não foi cumprida no ano passado. De qualquer forma, diz, mais do que os números, o importante são as indicações, "que fazem parte do jogo". "O investidor estava doido para ter uma desculpa para trazer o dinheiro de volta ao Brasil", afirmou Monica.

Foi supervalorizada a   notícia de que o Brasil   estaria à beira de uma   catástrofe fiscal. As   análises de mercado   têm sido muito em cima   disso, mostrando um   cenário que, de fato,   não é muito real"   Rogério César de Souza Economista-chefe do Iedi

—-

Tudo leva a crer que   o BC vai aumentar   a Selic até 10,75%   em 2014 (a projeção   anterior era de 11 %).   Junto com a queda   das taxas futuras,   podemos esperar   uma atividade melhor"   Carlos Thadeu de Freitas Economista-chefe da CNC

—-

 PREVISÃO DECRESCENTE  DA VARIAÇÃO DO PIB  PARA 2014 

  4,5% Lei de Diretrizes  Orçamentárias (LDO).

  4,0% Proposta de orçamento.

  3,8% Relatório de receita  do orçamento sancionado.  

  2,5% Anunciado ontem por Mantega.  

 


"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Outubro/2020

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

29Out17:0018:30Quintas da CBIC: Cidadania e desenvolvimento: O futuro dos municípios17:00 - 18:30 Via Zoom

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-AM
Ademi – MA
Sinduscon-MS
Sinduscon-JF
AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
Sinduscon-RS
Sinduscon-GO
Sinduscon-Pelotas
SECONCI BRASIL
Sinduscon-RIO
Sinduscon-TAP
Sinduscon-BA
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X