Logo da CBIC

CBIC`s Agency

12/02/2015

Planalto aceita negociar

"Cbic"
12/02/2015

O Globo – 12 de fevereiro

Planalto aceita negociar 

Pressionado até pelo PT, governo já fala em abrir diálogo sobre medidas de ajuste fiscal

Geralda Doca

Embora a presidente Dilma Rousseff tenha ordenado aos ministros que defendam a proposta que restringe o acesso a direitos trabalhistas e previdenciários, técnicos do governo já estão estudando as emendas dos parlamentares aos textos das medidas provisórias, com a tarefa de calcular o impacto de cada alteração proposta. Segundo uma fonte envolvida nas discussões, o governo abrirá o processo de negociação assim que receber uma contraproposta das centrais sindicais, o que deve ocorrer a partir do dia 25.

Nessa data, está prevista uma reunião entre os ministros das áreas responsáveis (Previdência, Planejamento, Trabalho e Secretaria-Geral da Presidência da República), com os dirigentes sindicais e parlamentares. No próprio PT, a reação contrária às propostas é forte. Parlamentares petista são autores de 66 das 435 emendas apresentadas à medida provisória que muda as regras das pensões e do auxílio-doença. Até a Executiva Nacional do PT divulgou documento dizendo que Dilma deve cumprir suas promessas de campanha.

Segundo integrantes do governo envolvidos na negociação, a intenção é abordar as mudanças em blocos, discutindo ao mesmo tempo as novas regras do seguro-desemprego, do abono salarial e de pensões. Para vencer resistências nesse último caso, foi enviado às centrais um documento informando que 87% das pensões continuarão sendo vitalícias no país, mesmo com as mudanças. Pela proposta, viúvos com idade acima de 44 anos continuarão recebendo o benefício até a morte. A duração do benefício abaixo dessa idade vai depender da idade do beneficiário: abaixo de 21 anos, por exemplo, será de três anos. As alterações em discussão não atingem os atuais pensionistas.

DIAS: "NINGUÉM É DONO DA VERDADE"

Ao ser perguntado sobre as intenções do governo em negociar as propostas, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, disse ontem que "ninguém é dono da verdade" e que as áreas técnicas do governo estão fazendo cálculos sobre eventuais mudanças. Ele confirmou que aguarda a contraproposta das centrais para buscar um entendimento.

– O fato de estar negociando, de ter sentado tantas vezes (com as centrais sindicais) é histórico no nosso govemo. Ninguém é dono da verdade. Os grupos técnicos estão fazendo as contas – disse o ministro.

O ministro repetiu o discurso oficial de que as mudanças não prejudicarão os trabalhadores:

– O que está certo é que a presidenta Dilma não vai fazer nada que represente prejuízos para os trabalhadores. Mas também é unânime, é consensual que algumas medidas têm que ser tomadas.

Governo e centrais concordam que é importante tomar medidas para combater a alta rotatividade no mercado formal. Mas não defendem a criação de uma contribuição para empresas que apresentarem índice superior à média do setor. As novas regras do seguro-desemprego entram em vigor a partir do dia 28 deste mês. Caso haja mudanças na medida provisória em tramitação no Congresso, o sistema será reajustado.

O ministro das Relações Institucionais, Pepe Vargas, disse que o governo está conversando com os partidos da base para aprovar as medidas que restringem a concessão dos benefícios trabalhistas. E também admitiu que o Planalto está aberto para negociar, mas não adiantou o que pode mudar:

– Quem abre diálogo já dizendo o que vai ceder? – indagou.

O ministro minimizou a enxurrada de emendas de senadores e deputados petistas que flexibilizam e até mudam completamente o sentido das medidas de ajuste fiscal. Perguntado sobre como convencer os aliados a apoiar o ajuste proposto pelo governo, explicou:

– No diálogo, apresentando as propostas, mostrando o que acontece hoje. Se há exageros, que mostrem. É pegar as medidas e debulhar, como se debulha uma espiga de milho.

PREOCUPAÇÃO COM ALTA ROTATIVIDADE

Algumas concessões começaram a ser estudadas. O governo cogita abrir mão do prazo de carência de dois anos para ter direito à pensão, nos casos em que o beneficiário deixar filhos menores. E pode ceder nas regras de acesso ao seguro-desemprego para não prejudicar jovens (demitidos do prímèiro emprego) e trabalhadores de setores de alta rotatividade (como construção civil e agricultura), que não teriam que cumprir 18 meses no trabalho para ter acesso ao auxílio na primeira solicitação.

No caso da pensão por morte, a medida provisória fixa prazo de carência de dois anos – de contribuição ao INSS e de duração do casamento ou união estável – para que se pague o benefício. Mas, ganha força no governo o entendimento de que não pode haver carência no caso em que há filhos menores, que não têm condições financeiras para se sustentar. A exigência valeria sós para viúvos e viúvas sem filhos. Hoje, não há prazo de carência para requerer a pensão, bastando uma única contribuição à Previdência.

Para preservar a essência da medida, o govemo não está disposto a mexer na fórmula de cálculo da pensão, que passará a ser proporcional ao número de dependentes (50% para o viúvo ou viúva, mais 10% por dependente).

Em relação ao abono (PIS), é possível o governo estuda abrir mão da exigência de seis meses ininterruptos no emprego para se ter acesso ao benefício. Porém, deve ser mantido o valor (correspondente ao salário mínimo e pago a quem ganha até dois salários) proporcional ao período trabalhado, como ocorre com o 13º salário. (Colaboraram Luiza Damé, Simone Iglesias e Fernanda Krakovics).

O QUE O GOVERNO ADMITE MUDAR NAS MEDIDAS PROVISÓRIAS

PENSÃO POR MORTE.

Estuda abrir mão do prazo de carência de dois anos (de contribuição ao INSS e duração do casamento ou união estável) para beneficiários que deixarem filhos menores.

SEGURO-DESEMPREGO. Cogita flexibilizar a exigência de prazo de carência de 18 meses no emprego, na primeira solicitação ao benefício, para jovens e trabalhadores de setores com alta rotatividade.

ABONO (PIS).

Pode abrir mão da exigência de seis meses no emprego para acessar o auxílio.

 


"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

20octallday22allday1° Evento de Construções Sustentáveis da 9ª Fiema Brasil - Feira de Negócios, Tecnologia e Conhecimento em Meio Ambiente(All Day) Bento Gonçalves - RS

22oct17:0018:30Quintas da CBIC: LGPD e o Mercado Imobiliário17:00 - 18:30 Via Zoom

Partners and Affiliations

Partners

 
Sinduscon-CE
Sinduscon-JF
ADEMI-AM
Sicepot-PR
Sinduscon-RIO
Sinduscon-Teresina
Sinduscon – Vale do Piranga
Sinduscon – CO
Sinduscon-Mossoró
Sinduscon-SP
AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
Sinduscon-AL
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X