Logo da CBIC

Agência CBIC

10/11/2020

Pesquisa busca rastrear como a informalidade interfere no setor da construção civil

A empresa que cumpre com suas obrigações legais, além de garantir o bem estar dos seus trabalhadores e a satisfação dos clientes, contribui para o crescimento do país. Por outro lado, a empresa informal prejudica a concorrência, gera inseguranças para o mercado e expõe os trabalhadores a condições precárias e de riscos, prejudicando a imagem do bom e correto empresário do setor. Para rastrear a opinião e as percepções dos empresários do setor em relação às causas e consequências da informalidade, A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) desenvolveu uma pesquisa de sondagem sobre informalidade na construção civil, que poderá ser respondida até o dia 13 de novembro.

O questionário também aborda questões relativas à pandemia, tributação do setor e perspectivas para o futuro, que podem gerar um melhor entendimento do cenário da informalidade na construção civil por todo país. Para o coordenador da pesquisa, Luis Fernando Melo, identificar elementos que possam nortear a construção de políticas públicas ativas de combate à informalidade e de incentivo à formalização do emprego no setor da construção civil, é fundamental.

“Por meio da pesquisa buscaremos caracterizar o perfil socioeconômico do trabalhador da construção civil, identificando quais são as características do trabalhador informal no Brasil. Queremos também descobrir por qual razão existe informalidade e apontar onde ela se concentra no setor, além de assinalar quais são os fatores determinantes e especificar quais são as consequências da informalidade para a construção civil”, explica Melo.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) referentes ao trimestre (maio a julho) de 2020, indicam que o número de pessoas ocupadas na construção é de 5,33 milhões (considerado formais, informais, conta própria, empregador). Já conforme os dados do novo Caged, divulgados pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, a Construção Civil possuía, em agosto/20, 2,22 milhões de trabalhadores com carteira assinada. Ou seja, quase a metade das pessoas atuando na informalidade.

Além do prejuízo aos trabalhadores, a informalidade significa concorrência desigual e injusta com as empresas representadas pela CBIC, que atuam na legalidade e respeitam a legislação trabalhista. Por isso a contribuição das empresas é fundamental para ajudar o setor a entender melhor as causas e consequências da informalidade.

Participe da pesquisa e responda o questionário.

A iniciativa tem interface com o projeto Combate à informalidade na indústria da construção’, desenvolvido pela CBIC com a correalização do Serviço Social da Indústria (Sesi Nacional).

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Março/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Ademi – PE
Sinduscon-AM
Sinduscon-PB
SINDUSCON – SUL
Sinduscon-AP
Sinduscon-TAP
Sinduscon – CO
ADEMI-AM
ASSECOB
Sinduscon-RR
APEOP-SP
Sinduson – GV
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet diyarbakır escort escort istanbul mersin escort mecidiyeköy escort çeşme escort
X