Logo da CBIC

Agência CBIC

25/11/2010

Para bancos, crédito para giro e habitação alavancam o País

CBIC Clipping

25/11/2010 :: Edição 015

Jornal DCI OnLine/SP|   25/11/2010

Para bancos, crédito para giro e habitação alavancam o País

SÃO PAULO – O presidente da Febraban (a federação dos bancos), Fábio Barbosa, afirmou ontem que é preciso encontrar formas de alavancar a economia com mais crédito imobiliário e com capital de giro. "Com esses mecanismos conseguiremos fazer com que a economia se movimente satisfatoriamente no próximo ano."

 Barbosa fez essa afirmação durante encontro realizado pela Febraban em parceria com o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a fim de discutir o futuro das políticas econômicas para manter o ritmo de crescimento.

 Barbosa ressaltou a importância do crescimento dos investimentos no País, principalmente com a proximidade de eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, além de lembrar da demanda que a exploração do pré-sal trará ao Brasil nos próximos anos.

 Em uma passagem rápida pelo seminário, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, falou sobre suas propostas para que o crédito privado ajude a meta de manter o Produto Interno Bruno (PIB) brasileiro no patamar de 5% no próximo ano. "Para o governo é a oportunidade de abrir capital com segurança ao setor privado e expandir a infraestrutura do País", explicou.

 A ideia principal defendida no encontro é abrir o mercado de capital privado para que tenha uma maior participação nos financiamentos de longo prazo, que atualmente concentram-se nas mãos do BNDES.  "Isso fará com que o País tenha uma maior participação do setor privado, pois hoje os créditos de longa duração estão concentrados apenas no BNDES", afirmou o presidente da instituição. Ele também defendeu que os financiamentos passem a representar de 23% a 24% do PIB. O patamar atual é de 19%.

 O presidente do BNDES também considera que essas medidas sejam aplicadas de forma gradual durante a gestão do próximo governo.  "Será necessário um diálogo entre o sistema financeiro, o BNDES e instituições do setor para que as medidas sejam aplicadas de forma gradual e ampliar a demanda. De um lado, temos de ter a poupança, do outro, o crédito a longo prazo no mercado de capitais", explicou.

 Além da abertura de mercado para os créditos de longo prazo, os presentes defenderam a redução da taxa básica de juros (Selic) e a uma modificação das questões tributárias, como a redução das taxas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) como explica Otávio Azevedo, diretor executivo (CEO) da Andrade Gutierrez, também presente ao evento.

 "O governo tem muitas responsabilidades no próximo ano. É necessária uma desoneração, assim haverá uma maior geração de empregos e, por consequência, mais riquezas para o Brasil", explicou.
 Quem também espera ter resultados positivos no próximo ano e defende as mudanças já citadas é Antônio Maciel Netto, presidente da Suzano Papel e Celulose.

 "Vemos no Brasil um mercado crescente, com o consumo interno aquecido que passa de dois dígitos. Não podemos esquecer da demanda internacional que tem impulsionado o mercado. Só a Suzano tem quase 20% de sua receita adquirida com exportação", comentou.
 O executivo ressaltou também a importância de manter a inflação em índices baixos e disse que a empresa pretende ter uma evolução de 2% a 3% no mercado de celulose. "Nossa meta é dobrar a receita até 2015, além de construir duas fábricas: uma no Maranhão e a uma no Piauí", enfatizou Maciel Neto.

 Para José Carlos Grabowssky, da PDG Realty, além da ampliação em infraestrutura é necessário uma maior atenção a crédito imobiliário, que, segundo ele, ficou preso em uma bolha inflacionária por 20 anos. "Precisamos recuperar o setor, que está parado há 20 anos. O ideal é que ocorra um crescimento de 15% em relação ao PIB do Brasil."

 Além deste crescimento, Grabowssky defende a especialização da mão de obra do setor para que a meta do projeto habitacional "Minha Casa, Minha Vida", de 2 milhões de casas populares nos próximos cinco anos voltadas à população de baixa renda acabe com o déficit habitacional.

 O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, reiterou os investimentos da empresa para 2011, e disse que seria ideal ter mais investimentos nos setores que compõem a cadeia produtiva do petróleo no Brasil.

 "Para suprir a demanda será necessário ampliar os demais setores: só assim teremos uma economia aquecida." Gabrielli salientou a necessidade de ações coordenadas para que o crescimento do PIB fique em 5% em 2011. "Essas ações tornarão o segmento mais competitivo", afirmou o executivo.

"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 


"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Ademi – PR
APEOP-SP
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Sinduscon-SM
AELO
Sinduscon – Vale do Piranga
Sinduscon-Vale do Itapocu
Ademi – AL
Sinduscon-AL
Sinduscon-Joinville
Sinduscon-Caxias
Ascomig
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X