Logo da CBIC

Agência CBIC

12/01/2011

Orçamento para prevenção de desastres é menor do que em 2010

12/01/2011 :: Edição 042
Jornal G1 – Globo/BR|   12/01/2011
Orçamento para prevenção de desastres é menor do que em 2010

clique aqui para ver o vídeo

A previsão para este ano é de gastos ainda mais tímidos com prevenção. O orçamento aprovado destina uma verba 18% menor que a do ano passado.

 Todo ano os problemas se repetem, mas os investimentos em prevenção ainda são muito baixos. Este ano, a previsão ficou ainda menor. Os recursos previstos no orçamento encolheram quase 20% a menos do que no passado.

 Por que será que o governo opta quase sempre por consertar os estragos, e não em preveni-los? Para muitos especialistas, a resposta é simples: obras necessárias para prevenção, como contenção de encostas ou retirada de famílias de áreas de risco, não dão voto. No ano passado, segundo a organização não governamental Contas Abertas, o governo federal gastou apenas 40% do que tinha no orçamento para prevenção.

 Sempre correndo atrás do prejuízo: é assim que o governo federal enfrenta os desastres naturais, como enchentes e inundações. No ano passado, foram liberados R$ 168 milhões para prevenção. Já para socorrer as vítimas e remediar os problemas, o governo gastou 14 vezes mais: R$ 2,3 bilhões. O levantamento foi feito pela organização não governamental Contas Abertas.

 Eu acho que há uma incompetência coletiva tanto do município, que começa deixando os cidadãos morarem em área de risco, e depois da falta de união do estado e do governo federal para que possam auxiliar esse município na elaboração de projetos que possam atenuar esse risco, aponta Gil Castello Branco, secretário-geral da ONG Contas Abertas.

 Todo mundo sabe quando começam as chuvas e quais as regiões mais vulneráveis no país. Por que então não se investe mais em programas de prevenção?

 A obra de prevenção é uma obra que não aparece. É uma obra muitas vezes antipática, socialmente complicada, porque se tem de trabalhar com remoção de pessoas e de lugares expostos ao risco. O custo social, o custo econômico e o custo financeiro das medidas de correção do problema são muito maiores do que a de prevenção, explica Oscar Cordeiro Netto, especialista em recursos hídricos da Universidade de Brasília (UnB).

 A previsão para este ano é de gastos ainda mais tímidos com prevenção. O orçamento aprovado no Congresso destina uma verba 18% menor que a do ano passado.

 Já mandamos essa semana um orçamento extra para o planejamento na ordem de R$ 700 milhões que vai atender essa demanda inicial desse período em alguns estados, afirmou Humberto Vianna, assessor do Ministério da Integração Nacional.

 O gasto com reconstrução tem sido maior do que com a prevenção. O governo ainda enfrenta outra enorme dificuldade: convencer a população a deixar as áreas de risco. Normalmente, as pessoas vivem nesses terrenos, porque é mais barato ou porque é mais próximo do trabalho. Dizem e explicam que não têm um lugar seguro para morar. Só que aí não tem jeito: o governo precisa agir antes da tragédia.

"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 
 

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-PA
Sinduscon-Vale do Itapocu
SECOVI- PB
APEOP-SP
Sinduscon-AP
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Sinduscon-CE
Sinduscon – Vale
Sinduscon-Teresina
Assilcon
AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
Sinduscon-Caxias
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X