Logo da CBIC

Agência CBIC

24/02/2011

Mercadante defende a formação de mais engenheiros

 

24/02/2011 :: Edição 045

Jornal Diário do Pará/BR  |   23/02/2011

mercadante defende a formação de mais engenheiros

Estimular a formação de mais engenheiros para
garantir o desenvolvimento sustentável do País. A ideia foi apresentada pelo
ministro Aloizio Mercadante, nesta terça (22), em Brasília, no 6º Encontro de
Lideranças promovido pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia (Confea).

Dentro das discussões no painel “Política
Nacional de CT&I e Política de Desenvolvimento Produtivo (Investimentos:
Desafios e Oportunidades), Mercadante sustentou a necessidade de intensificar o
processo de formação de engenheiros para atender às demandas, com o recente
crescimento econômico do País, e para inserir o Brasil no atual contexto de
competitividade internacional, diante da constatação de insuficiência de
profissionais no mercado.

O ministro comparou a situação brasileira em
relação a países com maior grau de desenvolvimento.  Para ele, uma
alternativa seria formar tecnólogos para suprir parte das necessidades. “Nós
tínhamos, no ano passado, 30 mil engenheiros formados e 10 mil tecnólogos, mas
na China são 250 mil tecnólogos que se formam em cursos de três anos. No
Brasil, formamos um engenheiro a cada 50 formandos, enquanto a Coréia forma um
engenheiro a cada quatro formandos. Temos que acelerar essa formação”,
enfatizou Mercadante.

O ministro informou que está sendo elaborado um
Programa Nacional para as Engenharias, com a participação de outras
instituições e de agências de fomento, para estimular as engenharias a
aperfeiçoar a formação desse engenheiro que é o tecnólogo, especializado em
alguma área da cadeia produtiva. “Hoje falta profissional no mercado de
trabalho. E a solução não é importar mão de obra. É formar aqui, gerar
oportunidade aqui”, afirmou.

De acordo com o ministro, o Brasil voltou a
crescer de forma acelerada, mas ainda enfrenta problemas originados do grande
período que enfrentou de baixo crescimento. Entre as dificuldades atuais, ele
aponta a falta de estrutura, a falta de logística e, em especial, o déficit na
formação de mão de obra e de recursos humanos.

“O Brasil avançou muito na formação de recursos
humanos, em 1987, 5 mil mestres e doutores foram formados, enquanto, ano
passado, formamos 50 mil.  O sistema de pós-graduação foi ampliado e
interiorizado”, disse.  “Agora nós vamos ter que combinar uma engenharia
mais longa com uma engenharia mais curta para atender determinados setores da
cadeia produtiva. Só no Pré-Sal nós vamos precisar de 200 mil engenheiros nos
próximos 15 anos”, acrescentou.

Em seu pronunciamento, Mercante também anunciou
que vai acolher a sugestão apresentada no evento pela Câmara Brasileira da
Indústria da Construção (CBIC) para a criação do um fundo específico para o
setor, como ocorre com os Fundos Setoriais em áreas estratégicas, administrados
pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT). (DOL, com informações do
Ministério da Ciência e Tecnologia)


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-DF
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Sinduscon-SE
SINDUSCON SUL CATARINENSE
Sinduscon-PA
Sicepot-PR
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon – CO
Sinduscom-NH
Sinduscon – Grande Florianópolis
Sinduscon-JP
Sinduscon-TO
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X