Logo da CBIC

Agência CBIC

31/03/2011

Justiça avalia pedido de embargo das obras em hidrelétrica de Jirau

 

31/03/2011 :: Edição 068

Jornal O Globo/BR   |   31/03/2011

justiça avalia pedido de embargo das obras em hidrelétrica de jirau

REBELIÃO NOS CANTEIROS: Centrais sindicais travam disputa, dizem empresários

Para Procuradoria do
Trabalho, é preciso reconstruir alojamentos e áreas de lazer

Cássia Almeida, Flávia Barbosa e Karina Lignelli

RIO, SÃO PAULO e BRASÍLIA. O Ministério Público do Trabalho (MPT) de
Rondônia impetrou ontem uma ação civil pública na qual pede o embargo das obras
da Usina Hidrelétrica de Jirau. Segundo a ação, "o ambiente de trabalho em
que se ativavam os trabalhadores não oferece condições para o reinício das
atividades". Segundo o MPT, as áreas de vivência, principalmente os alojamentos
e os espaços de lazer, estão destruídos.

– Até reconstruir as instalações, não será possível voltar à obra – disse o
procurador-chefe do MPT, Francisco Cruz.

A empreiteira Camargo Corrêa, responsável pela obra, informou que "as
condições de trabalho na obra são as melhores disponíveis no país. Todos os
alojamentos, separados em alas femininas e masculinas, são equipados com
ar-condicionado e banheiro privativo, e dispõem de áreas de lazer com quadras
poliesportivas cobertas, iluminação noturna, academia de ginástica e salas de
jogos, de televisão e de acesso gratuito à internet, além de serviços de
lavanderia, salão de beleza, barbearia, agência bancária, caixas eletrônicos,
lanchonete e farmácia".

A disputa entre correntes e a busca por ampliação do espaço político dos
sindicatos no governo Dilma
Rousseff são apontadas por gestores de grandes empreendimentos do Programa de Aceleração do Crescimento
(PAC) como combustíveis dos
conflitos que vêm explodindo nos canteiros de obras de diversos pontos do país.
A avaliação é que a dimensão dos projetos elevou significativamente a categoria
dos trabalhadores da construção civil,
estimulando a briga pelo controle das bases entre entidades como a CUT, a Força
Sindical e a Conlutas.

Um exemplo citado com frequência pelos empresários afetados pelos recentes
distúrbios é o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Rondônia, que passou a ter grande importância
com o início das obras das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no Rio
Madeira. De base muito pequena, condizente com o peso e o desenvolvimento
econômico do estado, o sindicato passou a ter 35 mil trabalhadores sob sua
jurisdição.

A entidade de Rondônia é ligada à CUT e, depois da data-base do ano passado,
em maio, a Força Sindical teria desembarcado no estado para questionar em junho
o processo eleitoral do sindicato local. A Conlutas também estaria tentando
aproveitar as novas fronteiras de expansão da força de trabalho para conquistar
espaço.

Empresários citam que têm percebido a presença de emissários das centrais
sindicais, às vezes de São Paulo, em locais das assembleias de operários. Outra
percepção de empreendedores de obras do PAC
é que as centrais sindicais estariam tentando, a partir da visibilidade do
programa e de sua importância para o governo federal, estabelecer uma agenda
política mais cara ao Palácio do Planalto, em uma estratégia para reconquistar
espaço no governo do PT.

Desta forma, estimular paralisações e reivindicações em relação ao PAC seria também uma forma de
"testar os limites" de Dilma – que, ao contrário do ex-presidente
Luiz Inácio Lula da Silva, não foi forjada no movimento sindical e tampouco tem
sensibilidade natural à agenda das entidades.

Do ponto de vista empresarial, existe também o temor dos gestores e
concessionários de obras do PAC
de que a mobilização das centrais pressione por reajustes e concessão de
benefícios muito elevados, implicando em custos adicionais aos empreendimentos
e criando um novo padrão nacional de remuneração.

Sindicatos afirmam que faltam condições de trabalho

Sindicalistas, por outro lado, dizem que a insatisfação dos trabalhadores,
"sufocados pela pressão", seria o estopim dos problemas nas obras do PAC ao longo do Brasil. Segundo Vagner
Freitas, secretário de organização da CUT, as obras do PAC, em geral, não oferecem condições ideais de trabalho.

– São obras grandes, com muito dinheiro envolvido, mas nas quais
trabalhadores são tratados como gado. É uma manifestação espontânea de
insatisfação – diz ele, que responsabiliza empresas e governo pelos problemas
nas obras do PAC. – Não há
capacidade gerencial nem critério, os canteiros são terceirizados. O Ministério
do Trabalho deveria ter fiscalizado desde o início.

O presidente da Força Sindical Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, disse que
os sindicatos pequenos não estariam acostumados a lidar com a grande quantidade
de trabalhadores atraídos para esses canteiros:

– De repente, em uma base de 2 mil, 3 mil trabalhadores, chegam 40 mil. Pega
o sindicato desprevenido. Com as más condições de trabalho, uma hora vira
revolta, porque esses trabalhadores percebem que, com alguma pressão, podem
conseguir seus direitos. E isso contamina todas as outras obras – afirma, que
admite que as centrais "chegaram depois", e que a Força passou a enviar
dirigentes especializados em negociação para "evitar problemas".


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sicepot-PR
Sinduscon-PA
SECOVI-PR
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon-AM
Sinduscon Sul – MT
Ademi – MA
Sinduscon-BC
Sinduscon-Teresina
Sinduscon-RN
Sinduscon-BNU
Sinduscon-Norte/PR
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X