Logo da CBIC

CBIC`s Agency

24/06/2011

Início já na próxima semana

 

"Cbic"
24/06/2011 :: Edição 125

Jornal de Brasília/DF -24/06/2011

Início já na próxima semana

 

A portaria com a regulamentação técnica da segunda fase do Programa Minha Casa, Minha Vida deve ser definida pelo governo até a próxima segunda-feira, segundo o diretor de Habitação e Infraestrutura da Caixa, Teotônio Rezende. Com a publicação da portaria, a Caixa já poderá começar a trabalhar na segunda fase do programa, lançada no último dia 16 pelo governo.

 O diretor informou que a regulamentação foi discutida internamente pela Caixa e seguiu para análise dos ministérios das Cidades e do Planejamento. A segunda fase do programa prevê a construção de 2 milhões de unidades habitacionais, número que ainda pode ser ampliado em 600 mil a depender do andamento do programa. Serão investidos R$ 125,7 bilhões.

 De acordo com Rezende, a portaria irá formalizar questões técnicas do programa, como a definição de valores máximos dos imóveis.

 O volume de novas contratações de crédito habitacional da Caixa, até o dia 17 de junho, chegou a R$ 30,8 bilhões, um crescimento de 4% em relação ao mesmo período de 2010 (R$ 29,6 bilhões). "Quando se compara com o ano passado, estamos quase no mesmo nível. Mas isso acontece porque no início do ano passado, operamos com quase todas as linhas, inclusive com a faixa de um até três salários-mínimos do Minha Casa, Minha Vida", afirmou.

 A Caixa está aguardando a regulamentação para iniciar a operação com a primeira faixa de renda (até R$ 1,6 mil por mês na área urbana). Segundo Rezende, na comparação com 2010, o crescimento do crédito imobiliário da Caixa este ano é 17%. A expectativa é fechar o ano com R$ 81 bilhões de contratações.

 

Prestações mais leves

 

 A prestação da casa própria deve ficar até 18% mais barata para famílias que ganham entre R$ 4.901 e R$ 5.400. A ampliação das faixas de renda dos programas Minha Casa, Minha Vida, de R$ 4.900 para R$ 5 mil, e do Carta de Crédito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de R$ 4.900 para R$ 5.400, garantirá economia mensal de R$ 266 para quem busca um imóvel novo até R$ 170 mil. Para imóveis com preços acima desse valor, a situação não deve mudar e o valor dos juros mantém-se em 10,5% ao ano. A operação ainda precisa de instrução normativa do Ministério das Cidades para entrar em vigor.

 De acordo com cálculos do Ibmec, a alteração dos juros baixa a prestação de R$ 1.497 para R$ 1.231. Ao longo de 30 anos, isso se converte em uma grande diferença. Para as famílias que ganham até R$ 3.100 o valor da prestação também vai ficar 18% mais barato. Nesses casos, a taxa baixa para 5,5% e uma casa de R$ 170 mil fica com prestação de R$ 1.001. Antes era de quase R$ 1.300.

 O aumento do teto fará com que mais pessoas possam tomar empréstimos nessa modalidade, mais barata do que o crédito concedido com recursos da caderneta de poupança. Nas linhas do FGTS, as taxas de juros são de, no máximo, 6% ao ano acima da Taxa Referencial (TR), enquanto nos financiamentos vinculados à poupança, o custo anual gira em torno de 10% mais a TR.

 A resolução aprovada pelo Conselho Curador também alterou as faixas de renda intermediárias para financiamentos por meio do FGTS, de R$ 2,8 mil para R$ 3,1 mil. Esse público, contudo, terá direito a um desconto – na prática, um subsídio até R$ 23 mil no valor da moradia – e taxa de juros máxima de 5% ao ano além da TR. O subsídio só valerá para a compra de imóveis novos.

 No caso dos empreendimentos usados, a renda familiar máxima para o desconto continuará em R$ 2,8 mil. Para bancar a ajuda aos trabalhadores, o Conselho do FGTS ampliou os subsídios neste ano de R$ 4,5 bilhões para R$ 5,5 bilhões.

 Já no Minha Casa, Minha Vida, são três as faixas de renda contempladas: de R$ 1.395, R$ 2.790 e R$ 4.650. Quem ganha até R$ 1.395 por mês pode pegar financiamento até dez anos para pagar o imóvel. A prestação mensal do financiamento não pode comprometer mais que 10% da renda familiar, e a parcela mínima deve ser de R$ 50.

 Já aqueles enquadrados entre as duas últimas faixas tem mais opções: é possível financiar até 100% do imóvel até 30 anos. As taxas de juros para essa faixa são as mais baixas: variam de 5% a 8,16% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR) – atualmente de 0,11% ao mês. Quanto maior a renda, maior os juros.

 _________

 SAIBA +

 O Minha Casa, Minha Vida foi criado pelo governo em 2009 para atender à população de renda familiar de zero a dez salários-mínimos.

 Para integrar o programa, o interessado não pode ter nenhum imóvel quitado ou em financiamento em seu nome, nem estar com o nome sujo nos sistemas de proteção de crédito, como SPC ou Serasa. É preciso entrar com o pedido na construtora ou diretamente na Caixa Econômica Federal. Os documentos necessários para fechar o contrato são RG, CPF, comprovante de residência e um comprovante de renda, como carteira de trabalho, declaração de Imposto de Renda (IR).

 

"Cbic"

 

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

20octallday22allday1° Evento de Construções Sustentáveis da 9ª Fiema Brasil - Feira de Negócios, Tecnologia e Conhecimento em Meio Ambiente(All Day) Bento Gonçalves - RS

22oct17:0018:30Quintas da CBIC: LGPD e o Mercado Imobiliário17:00 - 18:30 Via Zoom

Partners and Affiliations

Partners

 
Sinduscon-TO
Ademi – ES
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Ademi – MA
Sinduscon-MA
Sinduscon-SE
Sinduscon-Norte/PR
Sinduscon-Pelotas
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon-SM
Sinduscon-Vale do Itapocu
ASBRACO
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X