Logo da CBIC

CBIC`s Agency

11/12/2014

Indústria está superestocada, apesar dos ajustes já feitos

"Cbic"
11/12/2014

Valor OnLine

Indústria está superestocada, apesar dos ajustes já feitos

Plano de demissões voluntárias, redução de jornada e flexibilização de benefícios. A fabricante de veículos comerciais MAN tem tentado fazer ajustes para poupar empregos e sustentar o plano de investimentos de R$ 1 bilhão iniciado em 2012 e previsto para ir até 2016, mas, ainda assim, num ano que surpreendeu a empresa de forma negativa pelas baixas vendas, está com estoques bastante elevados. A situação da empresa revela o que vive boa parte do setor industrial do país, cujo período de ajustes, com demissões e fraco ritmo de produção, ainda não foi suficiente para reduzir os estoques, que seguem expressivos.

Na média de outubro e novembro, 7 dos 14 ramos industriais pesquisados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) na Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação apontaram um volume acima do normal de mercadorias paradas. O quadro é mais preocupante nas categorias de bens de capital e de bens duráveis, nas quais a fatia de empresários que considera o volume de estoques como excessivo ficou em 26,6% e 44,8% em novembro, respectivamente, acima da parcela de 13,3% na média de todos os gêneros industriais. Esses dois setores vêm indicando mercadorias paradas em excesso desde o segundo semestre de 2013.

No total da indústria de transformação, a diferença entre a proporção de empresas com estoques excessivos e insuficientes diminuiu no período, de 14,5 pontos percentuais em outubro para 11,6 pontos no mês passado. Mesmo com essa redução, no entanto, o setor manufatureiro segue superestocado no conceito da FGV, que avalia os inventários como fora da normalidade quando esse diferencial supera dez pontos.

Segundo Aloisio Campelo Jr., superintendente-adjunto de ciclos econômicos da FGV, houve reequilíbrio nos segmentos de bens intermediários e bens de consumo não duráveis. Os ramos industriais que dependem mais da confiança e dos juros, no entanto, continuam com acúmulo de estoques, o que deve segurar a produção ao menos até o primeiro trimestre de 2015.

A piora em bens duráveis foi puxada principalmente pelo setor de material de transporte, cujo indicador de estoques é o maior entre todos os ramos industriais (143,9 pontos). O dado ruim está em linha com os números da Anfavea. De acordo com a entidade que reúne as montadoras, 414,3 mil veículos estavam parados nos pátios em novembro, quantidade equivalente a 42 dias de vendas.

"Nos bens duráveis, há um cenário de dificuldade para que o setor consiga reequilibrar seus estoques", avalia Campelo, devido a uma série de fatores, como a maior cautela do consumidor, a possibilidade de retirada dos descontos no IPI dos carros na virada do ano e, do lado do governo, a sinalização de que os juros devem continuar subindo e de que a política fiscal não será anticíclica em 2015.

Para Thovan Caetano, da LCA Consultores, além da fraqueza doméstica, o setor externo também explica o maior acúmulo de estoques do setor automobilístico. Caetano diz que, de janeiro a outubro deste ano em relação a igual período do ano passado, o volume exportado de veículos de passageiros caiu 40,6%. Já o de veículos de carga diminuiu 25%, enquanto as vendas externas de tratores encolheram 15,5%. "Tanto a demanda interna como a externa estão em nível decepcionante", afirma ele.

Este cenário atinge empresas como a MAN. O presidente empresa, Roberto Cortes, afirmou, em entrevista ao Valor   no início deste mês que os ajustes de produção feitos até agora não foram suficientes para normalizar os estoques A fabricante de veículos comerciais da marca Volkswagen trabalha com um giro de vendas de 45 dias quando o normal seria um giro de 25 dias. De acordo com o executivo, o volume de estoques pode aumentar ainda mais se o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), do BNDES, que financia máquinas e caminhões a juros atrativos, não for renovado.

No segmento de máquinas e equipamentos, muitas indústrias trabalham sob encomenda, o que não impediu que estoques fossem acumulados nos distribuidores. É o que relata Edgard Dutra, diretor da Metalplan, fabricante de compressores de ar.

"Não tenho esse problema, mas meus distribuidores estão com estoques cheios. Antes compravam 40 compressores de uma vez e isso não está mais acontecendo", afirma Dutra, que está com a carteira de pedidos baixa devido à situação do varejo. Segundo o empresário, mesmo aqueles que conseguiram reequilibrar o nível de inventários não estão fazendo novas encomendas, porque temem ficar superestocados novamente.

Outro setor relacionado aos investimentos em capital fixo que relatou estoques acima do normal em novembro foi o de material de construção. Segundo a sondagem da FGV, o percentual de empresários do segmento que avalia o nível atual de inventários como excessivo saltou para 15,5% no mês, ante 4,8% em outubro. Para Walter Cover, presidente da Abramat, que reúne as indústrias do setor, a frustração com a demanda está por trás do dado. No início do ano, a expectativa era de alta de 4% do faturamento em 2014. Hoje, a estimativa é de queda de 5%.

"As empresas acreditaram que o ano seria bom e mantiveram seu nível de produção. A partir de junho, percebemos que o ano seria ruim, e os estoques foram aumentando", diz Cover, para quem pode haver uma redução do nível de mercadorias paradas em dezembro, com a aceleração das vendas do varejo, influenciadas pelas reformas dos imóveis no fim de ano.

Para a LCA, o PIB da construção civil vai cair 4,6% em 2014, e recuar novamente em 2015 (-1,7%), cenário relacionado ao enfraquecimento da demanda. Caetano nota que, no segmento de minerais não metálicos, que engloba insumos como cimento e areia, há 21 pontos a mais de empresas superestocadas do que com estoques insuficientes.

Neste ano, diz, esse setor foi prejudicado pela desaceleração do mercado imobiliário, com menor ritmo de vendas, lançamentos e financiamentos habitacionais. Em 2015, a expectativa é que o ajuste fiscal a ser implementado pelo governo tenha impacto negativo sobre os investimentos públicos.

De forma geral, Caetano avalia que os estoques vão "atrapalhar bastante" a recuperação da indústria em 2015, sobretudo no começo do ano, dado que o setor manufatureiro está enfrentando estoques altos há um período longo e de forma mais disseminada. "Muito provavelmente teremos um resultado ruim da indústria no primeiro trimestre." (Colaborou Victória Mantoan) 



"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

27oct10:0012:00Reunião da Comissão de Política de Relações Trabalhistas - CPRT / CBIC10:00 - 12:00 Via Zoom

Partners and Affiliations

Partners

 
ADEMI-AM
SECONCI BRASIL
Sinduscon – Vale do Piranga
Sinduscon-BA
Sinduscon-AM
Sinduscon-ES
Sinduscon-MG
Sinduscon-MT
Sinduscon – Grande Florianópolis
Sinduscon-Norte/PR
Sinduscon-Joinville
Sinduscon-Porto Velho
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X