Logo da CBIC

Agência CBIC

21/03/2014

Imóveis: BC não vê bolha

"Cbic"
21/03/2014

Correio Braziliense

Imóveis: BC não vê bolha

» DECO BANCILLON

 O preço alto dos imóveis no Brasil não é fruto da especulação sem limites. Essa é a avaliação do diretor de Fiscalização do Banco Central (BC), Anthero Meirelles, que garante não existir uma bolha imobiliária no país. "Aqui, o preço do ativo não sobe sem justificativa econômica. Além disso, praticamente não há segunda hipoteca, e mais de 90% dos imóveis são para moradia própria", assinalou.

A avaliação contrasta com opiniões que apontam para valorização excessiva dos imóveis. De acordo com relatório recente do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), o Brasil foi o país onde os preços das moradias mais subiram nos últimos cinco anos. Outro levantamento, preparado pela revista inglesa The Economist, observou que a alta verificada em 2013 foi a segunda maior entre 23 países.

Essas análises, no entanto, apontam para franca desaceleração nos preços neste e nos próximos anos, depois da Copa do Mundo, em junho. Foi por conta dessa preocupação que o BC decidiu analisar o assunto mais a fundo. "A gente acompanha o debate (sobre a bolha imobiliária) e precisa responder com dados concretos (a essas preocupações)", disse Meirelles.

A resposta foi um estudo que simula os impactos da variação de preços nos resultados de bancos que concedem crédito imobiliário. O objetivo era verificar se uma queda muito forte poderia levar mutuários a devolver imóveis aos bancos, provocando quebradeira no sistema financeiro. O trabalho, segundo o BC, afasta o receio de que o Brasil possa viver situação semelhante à dos Estados Unidos, durante a crise das hipotecas podres (subprime), que desencadeou a maior crise econômica desde 1929.

Irracionalidade

No pior cenário, o BC previu queda de 33% no preço dos imóveis. O número não foi escolhido à toa. "Esse foi o mesmo percentual na bolha dos Estados Unidos, mas lá essa deterioração ocorreu entre abril de 2006 e maio de 2009. No nosso teste, o recuo de 33% foi em apenas um dia", disse Meirelles. Mesmo nesse cenário, o estudo indicou que nenhum banco teria problemas para continuar funcionando.

Apenas na hipótese de o preço do imóvel cair abaixo de 90% do valor da dívida é que o empréstimo seria considerado impagável, diz o estudo. Mas o diretor descarta uma situação tão extrema. "Não acredito em nenhuma mudança grande em relação a preço de imóveis no país", disse. "Como estamos num livre mercado, se há irracionalidade (nos preços), a tendência é que ela seja corrigida."

O diretor recordou que os preços já crescem hoje em ritmo duas vezes menor que o verificado no auge do movimento de valorização imobiliária, em 2009, conforme o Índice de Valores de Garantia de Imóveis Residenciais (IVG-R), indicador preparado pelo próprio BC. Em agosto daquele ano, a valorização média foi de 1,93%. Já em agosto do ano passado, a alta havia sido de 0,74%.

(Publicado também no Jornal Estado de Minas)



"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Outubro/2020

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

30Out10:0012:30Roadshow: formação de preços e relações contratuais10:00 - 12:30 Mato Grosso do Sul - Online

30Out16:0017:30Webinar Coleta e Apuração do Índice Nacional de Custo da Construção - INCC/FGVV16:00 - 17:30 Via Zoom

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
APEOP-SP
Sinduscon-CE
Sinduscon-Norte/PR
Sinduscon-AP
Sinduscon Chapecó
ASSECOB
Sinduscon – Vale
AELO
Sinduscon PR – Noroete
Sinduscon-AL
Ademi – ES
ADIT Brasil
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X