Logo da CBIC

Agência CBIC

02/05/2012

Falta de bons projetos afeta avanços no saneamento

"Cbic"
02/05/2012 :: Edição 307

 

Valor Econômico/BR 02/05/2012
 

Falta de bons projetos afeta avanços no saneamento

 Apenas 44,5% dos domicílios brasileiros estão conectados a uma rede de esgoto. O quadro, segundo o secretário nacional de Saneamento Ambiental, Leodegar Tiscoski, é de uma situação muito precária. O Plano Nacional de Saneamento Básico, que deve ser lançado no segundo semestre deste ano, tem a meta de duplicar esse acesso e ampliar a rede para chegar a 90% dos domicílios até 2030.
 Para cumprir essa meta do plano, assim como outras (universalização do acesso à água e da coleta de lixo urbano), é necessário um investimento de R$ 420 bilhões nos próximos 18 anos, o que corresponde a R$ 20 bilhões por ano, entre recursos públicos e privados. Além dos recursos, governo e especialistas da área concordam que a falta de bons projetos é outro grave entrave para o setor.
 Mesmo que os investimentos previstos sejam efetuados, haverá 10% da população ainda sem acesso ao esgotamento sanitário. Segundo Tiscoski, o governo federal não tem uma previsão de quando conseguirá fazer que essa parcela da população tenha acesso ao saneamento – e, efetivamente, universalizar o acesso à rede de esgoto. De acordo com o secretário, obras de saneamento são complexas, levam tempo e precisam de bons projetos. Por isso, mesmo que haja recursos disponíveis, não há como garantir que as obras sairão do papel no curto prazo.
 Uma obra de saneamento tem ciclo de cinco anos, sendo dois anos para seleção, elaboração de projetos e licitação, e três anos para execução, em média. Os Estados, os municípios e as companhias também têm limitações, como problemas de gestão, falta de projeto, de licença ambiental e uma série de fatores que travam o pleno andamento das obras, disse.
 Tiscoski informou que até o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que foi um avanço na área, enfrentou problemas. A primeira fase do programa foi lançada em 2007 e, desde então, foram selecionados 800 projetos de coleta de esgoto, que somam R$ 21 bilhões. Segundo o secretário, no entanto, muitos Estados e municípios tinham projetos defasados ou sequer tinham projetos para rede de esgoto. Temos obras de 2007 ainda não iniciadas, justamente pela falta de projetos.
 Os indicadores de saneamento no Brasil são dramáticos, na avaliação do Instituto Trata Brasil. Podemos dizer que a grande maioria do esgoto do país continua indo para os cursos d'água, os rios, as lagoas, os reservatórios e, consequentemente, o oceano. O Brasil parou no século 19. Qualquer indicador que você pegue tem níveis dramáticos, que não têm nenhuma relação com o avanço econômico que o Brasil vem tendo, diz o presidente executivo do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos
 Para o especialista, o Brasil teve avanços com a criação do Ministério das Cidades e com o PAC, mas os progressos ainda são tímidos em relação às necessidades do país. Segundo ele, atualmente são investidos entre R$ 7 bilhões e R$ 8 bilhões por ano em saneamento no Brasil, quantia inferior à necessária para atingir as metas do governo até 2030.
 Mesmo com o aumento dos recursos para saneamento básico nos últimos anos, principalmente por causa do PAC, a maioria dos projetos não sai do papel. Um levantamento divulgado no início de abril deste ano pelo Trata Brasil, sobre as 114 principais obras de saneamento da primeira fase do programa, mostra que apenas 7% delas estão prontas. Entre as demais, 32% estavam paralisadas e 23% atrasadas. O problema não é a falta de recursos. Os municípios não conseguem tocar as obras. Muitas obras não passaram nem na primeira inspeção [do programa], disse o representante do Instituto Trata Brasil.

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon – Vale do Piranga
Ademi – SE
Sinduscon-ES
Sinduscon-Mossoró
Sinduscom-VT
Sinduscon-GO
Sicepot-RS
Sinduscon-MG
Sinduscon – Foz do Rio Itajaí
APEMEC
Sinduson – GV
ASEOPP
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
X