Logo da CBIC

Agência CBIC

17/02/2012

Economistas veem alívio na crise e início de retomada

"Cbic"
17/02/2012 :: Edição 272

 

O Estado de S. Paulo/BR 17/02/2012
 

Economistas veem alívio na crise e início de retomada

Para especialistas, crescimento de 0,57% em dezembro calculado pelo BC aumenta chances de um PIB maior em 2012

 O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBCBr) de dezembro, ao crescer 0,57% ante novembro, trouxe duas importantes mensagens, segundo o economista-chefe da Bradesco Asset Management( Bram),Fernando Honorato Barbosa: que a recuperação da atividade econômica no quarto trimestre do ano passado não era exuberante e que o pior momento da atividade brasileira estacionou em outubro de 2011.
 É por essa razão que ele trabalha com uma taxa de crescimento zero do Produto Interno Bruto (PIB) para o último trimestre de 2011. "É a cara do Brasil em 2011, e eu atribuo 70% da desaceleração econômica no ano passado aos apertos decorrentes das medidas macroprudenciais, juros e política fiscal."
 Na opinião de Barbosa, o IBCBr marca o fim do pior momento da atividade econômica brasileira e aponta para uma taxa de crescimento maior para a frente.
 Partindo de uma avaliação do IBC-Br de dezembro para a frente, Barbosa calcula que o indicador de atividade do BC carrega para o PIB do primeiro trimestre de 2012 um efeito estatístico (carry over) de 0,8%. Assim, o economista espera crescimento de 0,9% da economia no acumulado do primeiro trimestre.
 No segundo trimestre, o PIB deverá crescer 1,4%. Para o ano cheio, a Bram trabalha com crescimento de 3,3%. "O que veremos a partir do primeiro trimestre deste ano é a reversão dos efeitos das medidas de contenção do crescimento adotadas no passado, com juros caindo, macroprudenciais mais frouxas e política fiscal neutra em relação a 2011", prevê o economista. Pesa ainda neste ano a favor de taxas trimestrais de expansão do PIB, de acordo com Barbosa, o aumento de 14% do salário mínimo concedido em janeiro.
 Já o economista e sócio da MCM, Antônio Madeira, atribui a alta de 0,57% calculada pelo IBC-Br à melhora do desempenho da indústria e do varejo em dezembro. O resultado veio dentro do que a consultoria esperava, que era de 0,6%, o que não alterou a previsão de alta do PIB de apenas 0,2% no quarto trimestre e manteve a projeção de crescimento de 2,8% em 2011.
 Para janeiro, Madeira prevê que o IBC-Br poderá apresentar resultado muito próximo de dezembro, por causa da continuidade da recuperação da economia. Nesse contexto de melhora do nível de atividade, ele também acredita que o setor manufatureiro e as vendas do varejo devem continuar respondendo de forma positiva aos estímulos do governo,como a redução dos juros pelo Banco Central e o corte do IPI para a aquisição de produtos da linha branca ocorrido no fim do ano passado.
 Na avaliação do especialista, o cenário para 2012 do nível de atividade indica alta do PIB de 3,2%, pouco maior do que em 2011. Como ele prevê que o IPCA não deve repetir os 6,5% no ano passado-embora ainda fique acima da meta de 4,5%, pois deve atingir 5,5% -, ele não vê muito espaço para que o BC continue baixando os juros neste ano. Na sua avaliação, a Selic deve chegar a 9,5%em 18 de abril e permanecer assim até o fim de 2012. "A situação da economia neste ano deve ser melhor, mas a inflação requer cuidados."
 Aceleração. Na opinião de Flavio Serrano, economista-sênior do Besi Brasil, a variação de 0,57% de dezembro do IBC-Br mostra que a economia recuperou a tração no quarto trimestre do ano passado e,sobretudo,amplia a probabilidade de aceleração da trajetória nos próximos meses. Para o período de outubro a dezembro de 2011, a expectativa do economista é de que o PIB tenha crescido 0,4%. Para o primeiro trimestre deste ano, a projeção do Besi é de uma expansão de 0,8% e crescimento de 3,5% acumulado de 2012.
 O bom desempenho do IBCBr em dezembro, de acordo com Serrano, reflete o crescimento de 1,6% no indicador de vendas do varejo ampliado em dezembro do ano passado comparado a novembro e a expansão de 0,9% da produção industrial, na mesma base de comparação.
 O resultado do IBC-Br ficou de acordo coma projeção do departamento econômico do Besi Brasil, de alta de 0,6%. O economista avalia ainda que o Copom parece estar inclinado a aumentar os estímulos monetários nos próximos meses. "Mantemos nossa previsão de que a inflação deve desacelerar no curto prazo, impulsionada por efeitos temporários, mas com tendência de aumento no longo prazo."
 ————–
 Passado e futuro
 FERNANDO BARBOSA – ECONOMISTA-CHEFE DA BRAM
 "Atribuo 70% da desaceleração econômica no ano passado aos apertos decorrentes das medidas macroprudenciais, juros e política fiscal."
 ANTONIO MADEIRA – ECONOMISTA E SÓCIO DA MCM
 "A situação da economia neste ano deve ser melhor, mas a inflação requer cuidados."
 —————–

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Ademi – ES
SECOVI- PB
Sinduscon-Mossoró
Ademi – PE
Ademi – GO
ASSECOB
Sinduscon-Joinville
Sinduscon Sul – MT
Sinduscon-CE
Sinduscon-PB
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon-Porto Velho
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
X