Logo da CBIC

Agência CBIC

06/03/2015

Economia e escândalos afetam empregos na construção civil

"Cbic"
06/03/2015

DCI – 06 de março

Economia e escândalos afetam empregos na construção civil

A indústria da construção registrou a redução de 167 mil trabalhadores empregados nos últimos 12 meses, segundo dados do Caged. Entidades e empresários apontam que o alto número de obras de infraestrutura paradas, redução dos lançamentos de imóveis e mudanças nas gestões estaduais resultam no dado.

Só em Mato Grosso, mais de 15 obras de infraestrutura – a maioria delas em trechos rodoviários- foram paralisadas no começo do ano, Em Minas Gerais, a construção de dois hospitais públicos também foi interrompida por problemas em repasse de orçamento entre os governos estadual e federal.

A operação Lava Jato, da Policia Federal, também tem impacto profundamente as obras de infraestrutura. DE ACORDO COM O Sindicato dos Trabalhadores das Industrias de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras Terraplenagem em Geral no Estado de Pernambuco (Sintevap -PE), a construtora Mendes Junior, uma das empresas citadas da acusação de irregularidades em contratos com a Petrobras, demitiu 2,5 mil trabalhadores ligados às obras de transposição do Rio São Francisco desde o início do escândalo com a petroleira.

“As obras estão bem mais lentas, tanto pela dificuldade de caixa o governo federal para repasses, quanto pelas empresas citadas na operação Lava Jato, que estão operando de maneira mais moradia” afirmou um membro do sindicato, que falou em condição de anonimato.

Na visão do sindicalista, há uma perspectiva de novas demissões daqui pra frente. “Os trabalhadores estão bem preocupados com a situação”, defendeu.

Obra prioritária

A transposição do rio de São Francisco – um dos pilares do governo para abastecimento de água em regiões secas – está dividida no Eixo Norte e Eixo Leste e unirá os estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. “O problema, por enquanto, está no Eixo Norte, onde aconteceram demissões sem explicação e previsão de retorno”, disse o sindicalista.

Em nota, o Ministério da Integração Nacional, afirmou ao DCI que não há problemas com os repasses e pagamentos para as obras da transposição, o que não justificaria as demissões citadas pelo Sintepav-PE.

Segundo o ministério, a Mendes Júnior é alvo de processos administrativos por atraso na construção. A companhia está com o seu vice-presidente, Sérgio Cunha Mendes, preso em Curitiba desde novembro do ano passado, quando estourou a Operação Lava Jato. A construtora tem dois contratos do projeto da transposição, que somam mais de R$1,2 bilhão. Questionada sobre o financiamento e as causas paralisação, a Mendes Júnior disse que “as obras encontram-se em andamento dentro do previsto”.

A preocupação do governo é adiar novamente a conclusão da obra. Até dezembro, a execução física no lote principal tocado pela mendes Júnior só havia atingido 50,3% do contratado.

Outros estados

No começo do ano, uma portaria publicada no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso anunciou a paralisação de 14 obras rodoviárias – entre elas as MTs 100, 326, 249, 010, 270/040, 423, 336, 170 e 235. Os serviços também foram paralisados em outros trechos, têm extensão de 1.104,06km, e cortam mais de dez cidades.

O objetivo da paralisação segundo o governo do Estado de ato Grosso, é rever as licitações firmadas para evitar problemas legais. Juntas, as obras somam contratos de mais de R$1 bilhão e a postura do governo é de refazer as operações, caso sejam encontrados irregularidades no processo licitatória.

Em Minas Gerais, duas obras de hospitais públicos também foram paralisadas este ano. Com recursos de quase R$200 milhões, a interrupção da obra se deu em função de problemas com a mudança do governo este ano. Como o orçamento estadual de 2015 ainda não foi aprovado pelo Legislativo, segundo a secretaria de Obras do estado, não há como o atual governo seguir com a construção.

Repasses falho

Segundo a Câmara Brasileira da Industria da Construção (CBIC), um dos problemas enfrentados pelas construtoras é o atraso dos pagamentos das obras de infraestrutura por parte do governo federal. Em nota, a entidade apontou que, apesar dos esforços para a comunicação com o planalto, ainda não há garantias públicas de quando será normalizado o pagamento para quitação dos débitos.

A entidade informou que, além dos empreendimentos do programa Minha Casa Minha Vida, projetos rodoviários, energéticos e de saneamento estão tendo pequenos atrasos nos pagamentos.

Economia

O que também impressiona o resultado divulgado pela Caged, órgão vinculado ao Ministério do Trabalho, é a redução no ritmo de obras de imóveis comerciais residenciais.

Exemplo, desse momento de morosidade, a construtora mineira Cenfaz reduziu os planos de lançamentos este ano e cortou 15% da capacidade de mão de obra. “Tentamos segurar o nosso contingente de trabalhadores, mas não foi possível”, disse o diretos de novos negócios, Emerson Lucca Vieira, que prevê retomada do caixa, diminuição do estoque e contratações para o ano que vem.


"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Outubro/2020

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

30Out10:0012:30Roadshow: formação de preços e relações contratuais10:00 - 12:30 Mato Grosso do Sul - Online

30Out16:0017:30Webinar Coleta e Apuração do Índice Nacional de Custo da Construção - INCC/FGVV16:00 - 17:30 Via Zoom

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-RN
Sinduscon-RIO
Ademi – PE
ADIT Brasil
Sinduscon-SM
Sinduscon-TO
Sinduscon-RS
Sinduscon-AC
AELO
APEOP-SP
Sicepot-RS
Sinduscom-SL
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X