Logo da CBIC

CBIC`s Agency

08/12/2014

Dilma quer nomes afinados a ela em bancos públicos

"Cbic"
08/12/2014

Estadão.com.br

Dilma quer nomes afinados a ela em bancos públicos

No Planalto, avaliação é que proximidade com presidente é critério principal para definição de comandos da Caixa e do Banco do Brasil

Abaixo da briga partidária pelo loteamento da Esplanada dos Ministérios, uma outra disputa, não menos intensa, é travada pelo comando dos bancos estatais. A indicação dos futuros ocupantes da presidência do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, o primeiro e o terceiro maiores bancos do País, respectivamente, dependerá, principalmente, da afinidade com a presidente Dilma Rousseff.

O nome da atual ministra do Planejamento, Miriam Belchior, cotado para assumir o comando da Caixa, passou a ser visto no Palácio do Planalto e no próprio banco como a melhor saída para evitar que programas vitrines do governo Dilma tenham o orçamento cortado. Já se teme o enxugamento de verba determinado pela futura equipe econômica sob comando próximo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Com status de ex-ministra, Miriam teria "peito", na visão desse grupo, para impedir que a restrição fiscal atinja programas como o Minha Casa, Minha Vida, que são coqueluches de Dilma.

A presidente já avisou que não abre mão de ter à frente dos bancos públicos pessoas de sua extrema confiança para colocar em prática suas ideias, mesmo quando elas não se mostram o melhor negócio para as instituições. Um exemplo dessa prática é o programa Minha Casa Melhor, linha de crédito para a compra de móveis, computadores e eletrodomésticos.

Por vontade da presidente, a Caixa foi obrigada a bancar o programa, apesar de análises feitas pela área técnica do banco terem alertado que, da forma como foi feito, o programa representa riscos para a saúde financeira do órgão.

Miriam é tratada no PT como "coringa" e outra opção seria colocá-la à frente do Ministério das Cidades, uma das mais disputadas da Esplanada. Além dos petistas, o PSD, do ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, o PMDB, com Moreira Franco, e o PP, com Aguinaldo Ribeiro ou o atual ministro Gilberto Occhi, travam nos bastidores uma corrida para ficar com a pasta que tem grande capilaridade política devido aos programas de infraestrutura, habitação e saneamento.

Hereda. Outra alternativa seria deixar a Caixa com o petista Jorge Hereda, que conta com o apoio do governador da Bahia e amigo da presidente, Jaques Wagner (PT). No entanto, dentro do próprio banco a avaliação é de que dificilmente ele permaneça no cargo depois de episódios de muito desgaste, como a manobra contábil feita com recursos de cerca de 500 mil cadernetas de poupança para inflar os resultados da instituição.

Outra turbulência enfrentada por Hereda foi a corrida às agências da Caixa, em maio de 2013, por causa de rumores sobre o fim do Bolsa Família. O atual presidente da Caixa teria um cargo garantido no ministério que o governador da Bahia for assumir.

Banco do Brasil. No caso do Banco do Brasil, a dúvida sobre quem comandará o maior banco brasileiro está entre o atual vice-presidente de Varejo do BB, Alexandre Abreu, e o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Rogério Caffarelli.

Ambos contam com prestígio com a presidente. Abreu, preferido do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, foi responsável por comandar o programa Bom Para Todos, em 2012, quando a presidente forçou uma redução nos juros e tarifas bancários. O BB foi o primeiro banco a abaixar as taxas, sendo seguido pelos demais naquele momento de Selic baixa. Abreu também é o nome do atual presidente do banco, Aldemir Bendine.

Já Caffarelli, no ministério, conseguiu que elétricas e bancos entrassem em acordo na renegociação das dívidas do setor, o que lhe garantiu o apoio de Guido Mantega para ocupar o cargo.

Nos últimos dias, comenta-se que quem perder essa disputa ficará com a presidência do BNDES, num momento de reestruturação do banco de fomento. Se fosse olhar somente o perfil dos dois, a vaga seria de Cafarelli, que chegou a comentar que não queria a presidência do BB a alguns interlocutores. Abreu tem perfil mais voltado aos negócios direcionados à pessoa física. Cafarelli teria mais trânsito entre as empresas.

Para o comando da Previ, o fundo de pensão dos funcionários do BB, que tem participação acionária nas maiores empresas do País, o nome mais cotado é do atual vice-presidente de gestão de pessoas do BB, Robson Faria, filiado ao PT. Seria uma forma de o partido retomar o comando de um dos maiores fundos de pensão do mundo depois que Sérgio Rosa, que ficou à frente da Previ durante o governo Lula, saiu do cargo. Cotado para a vaga, o vice-presidente de finanças do BB, Ivan Monteiro, afirmou a interlocutores que não aceitaria o posto porque tem perfil mais téc nico.



"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

No Events

Partners and Affiliations

Partners

 
Sinduscon-Oeste/PR
Ademi – MA
APEOP-SP
Sinduscon-ES
Sinduscon – Norte
FENAPC
Sinduscon-Norte/PR
Sinduscon-AM
Sinduscon-MG
Sinduscon – Foz do Rio Itajaí
Sinduscon-Teresina
Sinduscon-Extremo Oeste
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X