Logo da CBIC

Agência CBIC

05/11/2010

Desafios para 2011-14

CBIC Clipping

05/11/2010 :: Edição 002

Jornal Valor Econômico/BR   |   /05/11/2010

Desafios para 2011-14

Armando Castelar Pinheiro

 Esta foi uma semana de celebração para a presidente eleita, Dilma Rousseff. Logo, porém, ela terá de começar a trabalhar para que as expectativas nela depositadas não se frustrem. Que desafios encontrará? Na economia, a presidente herda um país com boa imagem perante os investidores estrangeiros, um Produto Interno Bruto (PIB) em expansão e taxa de desemprego em níveis historicamente baixos, mas também com déficit em conta corrente alto e em alta, expectativa de inflação acima da meta, queda de confiança na contabilidade fiscal, e câmbio no nível mais apreciado desde novembro de 1998. Reequilibrar e recuperar a confiança no tripé da política macroeconômica será um desafio mais ou menos urgente para a nova equipe.

 Em uma ótica de médio prazo, a nova administração enfrentará dois grandes desafios: a dificuldade de sustentar o crescimento e a perda de competitividade da indústria nacional.

 Uma análise das fontes de crescimento do PIB no Brasil nos últimos 15 anos revela dois fatos principais.

 Um, que o crescimento médio foi relativamente modesto, 3,2% ao ano; outro, que o aumento do emprego (1,2 ponto percentual) contribuiu mais para a expansão do PIB que a acumulação de capital (1,1 ponto) ou o aumento da produtividade (0,9 ponto).

 A nova administração provavelmente quererá manter o crescimento do PIB próximo a 4,5%, a média dos últimos cinco anos. Mas a transição demográfica e a atual da taxa de desemprego, em nível recorde de baixa, farão com que o fator trabalho contribua menos para o crescimento na próxima década: cerca da metade ou menos do que nos últimos 15 anos (0,5 ponto). Assim, mesmo assumindo um maior crescimento da produtividade, a sustentabilidade do crescimento exigirá acelerar a acumulação de capital e, portanto, uma taxa de investimento mais elevada.

 É provável que esta suba no próximo governo, ainda que talvez menos do que o desejado. A incerteza chave é como essa alta vai ser financiada. Uma alternativa é o Brasil aumentar a sua taxa de poupança, que se mantém em torno de 17% do PIB há duas décadas. O ideal para isso seria elevar a poupança pública corrente primária e tornar a política de crédito público contracíclica, permitindo ao Banco Central baixar a taxa de juros sem pressionar a inflação. Outra alternativa é financiar a alta do investimento com poupança externa, expandindo o déficit em conta corrente.

 O outro desafio é aumentar a competitividade do produtor nacional, que vem caindo em quase todos os setores, exceto os ligados à agricultura, à mineração e a certos serviços. O Brasil só investe 2% do PIB em infraestrutura e tem uma carga tributária de 35% do PIB, maior e mais complexa que seus concorrentes. A escolaridade média da força de trabalho é baixa, só 7,5 anos para a população com 15 anos ou mais (7,8 anos na média mundial e 8,3 na América Latina), e o ambiente de negócios ruim-o Brasil ficou na 129a posição entre 183 países no Doing Business 2010.  Esses são velhos problemas.

 Menos discutido é o aumento do custo do trabalho. Em dólares, o salário médio na indústria de São Paulo mais que dobrou nos últimos dez anos, e aumentou 73% nos últimos cinco. Mesmo controlando para o aumento da produtividade, essas são altas substanciais.

 Dada a conjuntura econômica internacional, e na ausência de uma resposta política, o real tende a apreciar mais. Como o próximo governo pode fazer frente a essa pressão? A resposta ideal seria, de novo, o ajuste fiscal, acompanhado de políticas de competitividade, que ataquem os "velhos problemas".

 Mas é pouco provável que esse seja adotado. Como diz Tony Blair, em política, quando as pessoas repetem o mesmo ponto de vista várias vezes, é porque elas realmente acreditam no que estão dizendo.  Depois de afirmar tantas vezes que um ajuste fiscal não é necessário ou desejável, dificilmente a presidente Dilma agora o adotaria.

 Assim, seja para ajudar a financiar o aumento do investimento, seja em consequência da pressão cambial externa, o déficit em conta corrente deve aumentar nos próximos anos. Há cinco anos ele aumenta à taxa de 0,8% do PIB a cada doze meses, a despeito da melhoria dos termos de troca. Esse ritmo não difere muito do observado na Espanha entre 1997 e 2007, num contexto semelhante, marcado pela introdução do euro, com queda dos juros e larga oferta de financiamento barato.
 Acontrapartida será a apreciação do real e a consequente mudança na estrutura produtiva do país.

 Esse pode não ser um cenário ruim, caso se trabalhe em três dimensões: limitar a expansão do déficit e a qualidade do seu financiamento para evitar uma crise quando dentro de alguns anos os juros subirem no G-3; canalizar a poupança externa para o investimento, sem deslocar a poupança doméstica; e investir na solução das demais restrições à nossa competitividade para o setor produtivo se adaptar crescendo em produtos mais sofisticados.

 Há, portanto, mais de uma resposta aos desafios que se colocarão nos próximos anos, mas ela precisa ser interna e intertemporalmente consistente.

 Armando Castelar Pinheiro , pesquisador do IBREFGV e professor do IEUFRJ. Escreve mensalmente às sextasfeiras.

"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 
 

"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon PR – Noroete
Ademi – GO
Sinduscon – Vale
ADIT Brasil
AELO
Sinduscom-VT
Sinduscon – Grande Florianópolis
ADEMI – BA
Sinduscon-PA
Ademi – DF
APEOP-PR
Sinduscon-Vale do Itapocu
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X