Logo da CBIC

CBIC`s Agency

04/03/2015

Desaceleração do crédito reforça marasmo na economia

"Cbic"
04/03/2015

Valor Econômico – 04 de março

Desaceleração do crédito reforça marasmo na economia

As operações de crédito começaram o ano em queda, introduzindo mais um elemento negativo nas expectativas para os próximos meses. As concessões de recursos para empresas recuaram 27,2% em janeiro em comparação com dezembro; e a queda de 10,4% das operações com pessoas físicas não ficou muito atrás. O estoque total de empréstimos, que normalmente cresce pela simples incorporação dos juros e correção, encolheu 0,2% em comparação com dezembro, puxado pela queda de 1,1% das operações com pessoas jurídicas. No acumulado em 12 meses, a variação do estoque foi de 11%, abaixo dos 11,3% de 2014, que já havia ficado marcado como o quarto ano seguido de perda de ritmo do crédito.

Na comparação com o Produto Interno Bruto (PIB), o estoque de empréstimos de R$ 3,013 trilhões caiu de 58,9% para 58,5%. O Banco Central tentou minimizar esse fraco desempenho lembrando que a demanda por recursos cai no início de ano, especialmente entre as empresas. Mas é inegável que o recuo foi forte demais desta vez.

São muitos os fatores que indicam que a oferta de recursos pode ser mais minguada nos próximos meses. O principal deles é o claro movimento de aversão ao risco entre os bancos privados e públicos em consequência da operação Lava-Jato. (Valor , 27/2).

O leque de potenciais afetados pode não ser amplo, mas o desconhecimento de sua extensão acentua a cautela. Na dúvida sobre quais empresas podem ter problemas, todas são penalizadas, e até as operações com pessoas físicas são afetadas. Alguns segmentos foram especialmente atingidos. A carteira de crédito para o setor de construção encolheu 2,1% informou o BC; a da indústria da transformação, 1,7%; e do comércio, 3,3%. Rara exceção, a indústria extrativa aumentou em 6,8% as operações de crédito.

Igualmente evidente é o impacto nos juros. A taxa média cobrada pelos bancos nas operações com recursos livres para pessoas físicas registrou aumento de 2,5 pontos percentuais em janeiro, para 52,6% ao ano, o maior patamar em quase três anos, desde o início da série histórica, em março de 2011. No caso extremo do rotativo do cartão de crédito, a taxa bateu 334% ao ano. A taxa das operações de pessoas jurídicas também com recursos livres avançou um ponto percentual em janeiro, para 25,2% ao ano, a mais alta desde novembro de 2011. Na média, o juro subiu de 37,6% para 39,4% ao ano entre dezembro e janeiro – o maior patamar da série histórica.

As margens cobradas pelos bancos nos empréstimos com recursos livres a empresas e famílias atingiram 27,5 pontos percentuais em janeiro, as maiores desde os 27,9 pontos de março de 2012, quando a presidente Dilma Rousseff determinou que os bancos públicos fizessem corte radical nos spreads para acirrar a competição no sistema.

A queda foi favorecida pelo corte da taxa básica de juros, que sustentou o emprego e a renda e reduziu a inadimplência. Em 2013, o spread chegou a cair a 21,5 pontos. O fôlego foi curto, no entanto. As condições macroeconômicas adversas exigiram a elevação dos juros para conter a inflação no fim do primeiro semestre de 2013, depois de terem atingido 7,25%. O Copom deve decidir novo aumento da taxa básica de juros na reunião desta semana, de 12,25% para 12,75%, dando mais gás na tendência de encarecimento do custo do crédito.

Até os bancos públicos elevaram os spreads para recompor as margens. Sinal mais recente dos novos tempos foi a decisão da Caixa Federal de suspender a linha de financiamento subsidiado Minha Casa Melhor, que concedia até R$ 5 mil para a compra de móveis e eletrodomésticos para os beneficiados pelo programa imobiliário Minha Casa Minha Vida, com juros de apenas 5% ao ano e prazo de pagamento em 48 meses. A justificativa oficial é que as condições operacionais serão rediscutidas no âmbito da nova fase do programa habitacional.

A desaceleração do crédito reforça a perspectiva de enfraquecimento da economia neste ano. O setor de veículos já deu o primeiro alarme. Depois de ter caído 10,3% em janeiro, as vendas de automóveis novos recuaram mais de 28,3% em fevereiro, com os consumidores revelando menor confiança no futuro e na manutenção dos seus empregos, e se ressentindo de condições menos favoráveis de crédito, com juros mais elevados e maior seletividade.

 

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

26oct10:0011:30Webinar - Ciclo de Debates Regionais - Nova Lei Geral do Licenciamento Ambiental – Região Sudeste10:00 - 11:30 Via Zoom

Partners and Affiliations

Partners

 
Sinduscon-AC
FENAPC
ASSECOB
ASBRACO
Sinduscon-JP
Sinduscon-PR
APEOP-PR
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon-Pelotas
Sinduson – GV
Sinduscon Sul – MT
Sinduscon-SP
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X