Logo da CBIC

Agência CBIC

22/03/2011

Demanda por crédito imobiliário

 

22/03/2011 :: Edição 061

Jornal Diário do Comércio/BR   |   22/03/2011

demanda por crédito imobiliário

Os números do mercado imobiliário
impressionam. Acostumados que éramos a lidar com baixas cifras, passar a pensar
em dezenas de bilhões de reais tem gerado expectativas e também boa dose de
responsabilidade.

Uma das preocupações do setor vem de uma possível carência de recursos no
prazo de quatro anos. O dinheiro da poupança e do FGTS – principais fontes
destinadas à produção e aquisição de imóveis – mostram indícios de
insuficiência. Chegar em 2014 com a linha do crédito imobiliário robusta requer debates imediatos sobre o
reforço na destinação da poupança e de fundings alternativos.

Segundo a Caixa, suas cotas de financiamento médio (LTV) ao final de 2010
eram de 68% para o SBPE e 73% para o FGTS. Dos seus imóveis financiados, 44%
tinham valor inferior a R$ 50 mil e 5% valor superior a R$ 200 mil. Isso
demonstra aderência ao perfil do déficit habitacional, que deverá ser
enfrentado ao longo dos próximos 15 anos.

Neste momento, temos de intensificar os estudos e as discussões com os
bancos públicos e privados, a Abecip e as securitizadoras, a fim de promover
ajustes legais e culturais para estimular a sinergia entre o SFH (Sistema
Financeiro de Habitação) e o SFI (Sistema Financeiro Imobiliário).

Os fundos de pensão acumulam mais de R$ 600 bilhões, as reservas técnicas
das seguradoras outras centenas de bilhões e os investidores estrangeiros
querem boas alternativas. As LCI (Letras de Crédito Imobiliário), os CRI (Certificados de Recebíveis
Imobiliários) e todo o segmento de securitização de recebíveis são instrumentos
a serem divulgados, pois dão liquidez imediata às receitas futuras dos
empreendimentos. Ainda, os Covered Bonds, títulos lastreados na carteira
imobiliária dos bancos, permitem a eles utilizarem recursos adicionais de
tesouraria ou de investidores para financiar imóveis e melhorar seus
resultados.

Outro aspecto que merece atenção é o reajuste dos preços. De 2005 a 2010, na
cidade de São Paulo, o valor médio de área lançada registrou incremento de 62%,
enquanto a inflação do INCC
limitou-se a 48% acumulados no período. Isso se deve ao forte e rápido
aquecimento após longos anos de estagnação do setor. Agora, os preços atingiram
o limite na escalada de alta e não sofrerão grandes mudanças, meramente
acompanhando os índices da inflação e eventuais flutuações tópicas de procura
em quarteirões específicos de bairros especiais. E com a demanda estável, não
há tendência de preços inflacionados.

O cenário futuro é de mercado sólido e estável, sem risco de
"bolha", pois há demanda e o nosso sistema financeiro é rígido na
concessão de créditos para empresários e compradores.

Resta um alerta: comprar imóvel é sempre bom, desde que seja para morar,
instalar uma empresa ou alugar a unidade. Para aqueles que buscam especular, a
recomendação é: não comprar. O especulador deve permanecer no mercado de
papéis, moedas e derivativos. Imóvel como investimento é complemento de renda e de aposentadoria tão
somente.

* Presidente do Secovi-SP e
da Comissão Nacional da Indústria Imobiliária da Cbic


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
SECOVI- PB
SINDUSCON – SUL
Sinduscon-RS
SECOVI-SP
Sinduscon-GO
Ademi – SE
Sinduscon-JP
Sicepot-RS
SINDUSCON SUL CATARINENSE
Sinduscon-Joinville
Ademi – AL
Sinduscon-Vale do Itapocu
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X