Logo da CBIC

CBIC`s Agency

24/03/2014

Consumidor está disposto a pagar mais por tecnologia, diz CBIC

"Cbic"
24/03/2014

O Povo – Ceará

Consumidor está disposto a pagar mais por tecnologia, diz CBIC

Imóvel 

 Pesquisa mostra que consumidor está disposto a pagar por tecnologias que resultem em maior economia, segurança, conforto e sustentabilidade

Pesquisa inédita realizada pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) e coordenada pelo Instituto Sensus diz que o consumidor brasileiro está cada vez mais exigente sobre as inovações na construção e disposto a pagar mais por tecnologias que resultem em maior economia, segurança, conforto e sustentabilidade ambiental.

O levantamento, realizado em 23 Estados e no Distrito Federal, ouviu 1.123 pessoas no período de 11 a 15 de maio de 2013. De forma espontânea, os entrevistados apontaram os itens economia (30,2%), segurança (16,3%), conforto (4,9%) e ecológico (com 4,1%) como os diferenciais mais buscados em um imóvel.

Na pesquisa induzida, o item que mais pesa na escolha são os que garantem economia de energia (21,4%), alarme elétrico (12,7%), economia de água (12,1%), teto solar para geração de energia (8,5%) e monitoramento por câmera (7,5%).

Para Paulo Simão, presidente da Cbic, a pesquisa mostra que há mercado para que as construtoras aumentem o investimento em tecnologia durante a construção. "Com mais investimento e com ganho de escala, essas novas tecnologias terão seu custo reduzido e poderão chegar a um público muito maior", afirma o presidente.

Pressão por custo

De acordo com Carlos Borges, vice-presidente de Tecnologia e Qualidade do Sindicato da habitação de São Paulo (Secovi-SP), a predisposição de o cliente pagar até 10% mais no imóvel para ter as tecnologias sustentáveis é um dado que surpreende. "Sentimos uma pressão muito grande por custo. Apesar de as pessoas gostarem, o foco não é esse", diz.

Vitor Marques, gerente de marketing da Marques Construtora empresa com projetos mais voltados para famílias com renda entre R$ 5.000 e R$ 7.000 diz que boa parte dessas tecnologias não encarecem a obra.

"Qualquer redução de consumo é importante. São coisas simples, como medição individual de água e de gás, e que chegam a representar até 30% do valor do condomínio", avalia.

Os resultados da pesquisa estão sendo apresentados semana passada na Feicon (salão internacional da construção), e a expectativa da Cbic é sensibilizar empresas e governo para o emprego de recursos sustentáveis na construção civil. (da Folhapress )

Serviço 

 NBR 15575 estabelece parâmetros para as construções 

 


"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

26oct10:0011:30Webinar - Ciclo de Debates Regionais - Nova Lei Geral do Licenciamento Ambiental – Região Sudeste10:00 - 11:30 Via Zoom

Partners and Affiliations

Partners

 
Sinduscon-PR
Sinduscon-AL
Sicepot-RS
Sinduscon-RN
Sicepot-PR
Sinduscon-JP
ASEOPP
Sinduscon-MA
Sinduscon-RIO
SINDUSCON – SUL
Sinduscon-SE
Sinduscon-Teresina
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X