Logo da CBIC

Agência CBIC

08/12/2020

Consenso no ENIC defende isenção da compra de imóvel na reforma tributária

Qualquer que seja a reforma tributária a ser aprovada no Congresso, a venda de imóveis não deve ser tributada, por não se caracterizar como consumo, mas,  sobretudo, por se tratar de um investimento. A isenção, defendida pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, foi consenso no debate sobre a reforma tributária realizado pelo Conselho Jurídico da CBIC no 92º ENIC (Encontro Nacional da Indústria da Construção).

No painel Reforma tributária – seus efeitos no mercado imobiliário e na construção civil, conduzido pelo presidente do Conjur da CBIC, José Carlos da Gama, o advogado Murillo Allevato Neto, da Bichara Advogados, disse ser o imóvel um ativo fixo e lembrou que, na maioria das legislações tributárias no mundo, a compra de imóvel é isenta de tributação por se considerar o acesso à moradia um direito fundamental.

Para Paulo Siqueira, diretor tesoureiro da OAB-DF, outro debatedor do painel, que tem interface com o projeto Segurança jurídica na indústria da construção, uma realização do CONJUR em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), “é altamente defensável” o entendimento do presidente da CBIC pelo qual aquisição de imóvel não é consumo, mas investimento.

“Se a tributação do imóvel for inevitável, que se defina o nível de alíquota conforme a destinação dele – se for para pessoa de baixa renda, por exemplo, não é justo tributar”,ressaltou Siqueira.

No resumo feito por Allevato das três propostas de reforma tributária em tramitação no Congresso – a PEC 45/2019, na Câmara dos Deputados, a PEC110/2019, em exame no Senado, e o Projeto de Lei 3.887/2020, do governo federal – , a única que isenta a venda de imóvel é a do governo, mas apenas para pessoas físicas. O PL 3.387/2020 cria a CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços), em substituição ao PIS/Cofins.

Do ponto de vista dos efeitos na construção civil, o advogado do escritório da Bichara Advogados disse preferir, entre as três propostas, a PEC 110/2019. Por três razões básicas, alinhou Allevato: desonera a compra e venda de imóveis, ao permitir que a cobrança do IBS (Imposto sobre Bens e Serviços) nestas operações seja debitada na tributação da folha de salários; não tributa a locação e possibilita ao empresário se creditar na tributação sobre os salários.

Já Paulo Siqueira declarou preferir o projeto do governo, por ser bem mais simples, limitando-se a substituir o PIS/Cofins, e por não interferir no pacto federativo, que vê como o grande obstáculo na aprovação das duas outras propostas, pois estados, municípios e União, na sua visão, não vão abrir mão de um real sequer de suas receitas.

O 92º Enic foi realizado pela CBIC em correalização da Asbraco-DF, do Sinduscon-DF e da Ademi-DF. O evento tem como patrocinador silver o Sebrae, como patrocinador platinum a Arcelormittal Brasil e Caixa Econômica Federal, e conta com o apoio de Sesi Nacional e Senai Nacional.

Este webinar foi gravado e está disponível aos inscritos para visualização por 60 dias no site do 92º ENIC .

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-SE
Sinduscon-RR
Sinduscom-NH
Sinduscon-TAP
SECOVI-SP
FENAPC
Assilcon
Sinduscon – Norte
Ademi – GO
Sinduscom-SL
Sinduscon-PA
Sinduscon – Vale
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X