Logo da CBIC

CBIC`s Agency

26/07/2011

Certificação para Olimpíadas e Copa movimentará US$ 1 bi

"Cbic"
26/07/2011: Edição  143

 

Jornal DCI OnLine/SP 26/07/2011
 

Certificação para Olimpíadas e Copa movimentará US$ 1 bi

A concessão de certificados de qualidade e adequação para edificações terá no Brasil seu mais importante mercado mundial nos próximos anos. A construção de estádios, complexos residenciais e outras estruturas para a Copa do Mundo e as Olimpíadas que aqui se darão gerará US$ 1 bilhão em negócios para o setor. Players globais do ramo correm para garantir uma fatia deste bolo: a alemã Tüv Rheinland, por exemplo, vai investir entre 50 e 70 milhões de euros ao ano, nos próximos 5 anos, na América do Sul. Deste montante, 80% virão para sua filial brasileira. Ela tem motivos para tanto: a empresa fatura hoje na América do Sul cerca de 150 milhões de euros por ano, dos quais 120 milhões são gerados pela subsidiária local. O faturamento global do Grupo é de 1,3 bilhão de euros por ano. Em breve a companhia planeja abrir filiais na Colômbia e no Peru.
 A Tüv disputa contratos com potências locais, como a conhecida Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) – uma das 5 maiores empresas do setor no Brasil -, o Instituto de Certificação Qualidade Brasil (ICQ), a Det Norske Veritas Ltda (DNV) e outras companhias que estão de olho na nação que promete ser um dos maiores canteiros de obra do globo pelos próximos anos, se não o maior.
 Aquisições
 Para quem se espanta ao saber que por trás de siglas como ISO, BPF e NBR (nomes genéricos de certificados de qualidade) haja tanto dinheiro, vale lembrar que entidades como a Fifa (que gere o futebol mundial) e o COI (responsável pelas Olimpíadas) não aceitam que atletas se apresentem ou se hospedem em complexos esportivos que não tenham tido sua qualidade atestada por estas e outras certificações. Empresas como a Tüv são credenciadas no País pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e pelos demais órgãos públicos para fornecê-las.
 "Nossa empresa é uma das primeiras no Brasil qualificada para fornecer o selo Leed Certification, que garante a sustentabilidade dos empreendimentos construídos para o evento mundial de futebol, condição exigida pela Fifa que também pode se estender aos Jogos Olímpicos", conta João Razaboni, superintendente da Tüv Rheinland Brasil. A estratégia de crescimento da companhia por aqui é agressiva: desde sua chegada ao País, em 2000, a Tüv já comprou quatro concorrentes nacionais – União Certificadora e Orplan (2006); Ductor (2007) e Geris (2010) – "Todas líderes em seus segmentos", observa Razaboni, frisando ainda que novas aquisições locais estão no radar da organização.
 Concorrência
 Tanta gana em se expandir se dá porque, no Brasil, a disputa no ramo é pesada. Há players antigos e bem estabelecidos no País. É o caso da já citada ABNT. Antônio Carlos Barros de Oliveira, gerente-geral de Certificação da organização, revela seus planos para o futuro. "Em relação à Copa e às Olimpíadas, estamos especialmente focados nos muitos novos hotéis que surgirão no Brasil em razão destes jogos. Nosso trabalho de certificação concentra-se nos meios de hospedagem sustentáveis e no pessoal do setor hoteleiro, cuja qualificação poderá se tornar um importante legado de tais eventos para o Brasil", revela ele. Nos últimos cinco anos o braço de certificação da ABNT tem tido um crescimento médio de 22% ao ano. No período, a organização desenvolveu 50 novos programas voltados à atividade.
 "O mercado brasileiro de certificação é extremamente competitivo, há um grande número de companhias disputando os contratos", confirma Oliveira. A sustentabilidade das construções é tendência forte por aqui: atualmente existem no Brasil três certificações específicas para tanto, que são a Aqua (Alta Qualidade Ambiental), a Leed (Leadership in Energy and Environmental Design) e o Selo Casa Azul, desenvolvido pela Caixa Econômica Federal, banco que é o maior financiador da construção civil brasileira.
 Validade
 Oliveira observa que uma das forças da atividade é sua permanente necessidade: "A certificação é um processo que tem início, meio e continuidade, porque os certificados das construções têm de ser validados em prazos definidos [geralmente de 1 ano]." E ele avisa: "Os organismos certificadores precisam, cada vez mais, se preparar para operar com serviços de alto valor agregado. Houve uma expansão da atividade nos últimos anos, e a demanda aumentará ainda mais no futuro", prevê.
 Razaboni, da Tüv, vai na mesma linha: "A busca pela qualidade está em ritmo acelerado no Brasil. Estamos sentindo um crescimento acentuado da demanda por certificações, tanto voluntárias quanto compulsórias. As perspectivas são muito positivas e a certificação certamente terá cada vez maior importância dentro da economia brasileira", garante o executivo.

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Construction Agenda

october/2020

Filter Events

mon

tue

wed

thu

fri

sat

sun

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

No Events

Partners and Affiliations

Partners

 
Sinduscon-MG
Sicepot-PR
Sinduscon-Caxias
Sinduscon-SP
Sinduscon-ES
SINDUSCON SUL CATARINENSE
Sinduscon – Vale
Sinduscon-JP
SECOVI-SP
Sinduscon-CE
Sinduscon – Grande Florianópolis
Sinduscon Chapecó
 

Click Here and check our partners

Affiliations

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X