Logo da CBIC

Agência CBIC

18/02/2011

Cenário promissor para cimento

18/02/2011 :: Edição 041

Jornal do Commercio/BR   |   /18/02/2011

cenário promissor para cimento

MÔNICA CIARELLI E ALEXANDRE RODRIGUES

DA AGÊNCIA ESTADO      

Com o crescimento da demanda por cimento no
Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aposta
em novo ciclo de investimentos no setor. O chefe do Departamento de Indústria
de Base do banco, José Guilherme Rocha Cardoso, diz que o BNDES já projeta
crescimento de 50% a 60% no volume de desembolsos para projetos na área de
cimentos este ano, segmento que recebeu cerca de R$ 500 milhões no ano passado.

"Estamos recebendo muitas consultas de
empresas. Consultas formais e informais", afirmou Cardoso, ao revelar que
o interesse não se limita a empresas brasileiras. Segundo ele, o banco também
foi procurado por grupos estrangeiros que já atuam no País na área de cimento.
"Acreditamos que teremos muitas operações (para analisar).

A demanda está forte por cimento." A
recuperação do setor tem como pano de fundo maiores investimentos em
infraestrutura e o boom da construção civil, fortalecido pelo programa de
habitação popular do governo conhecido como Minha Casa, Minha Vida. Aliado a
esses fatores, lembra Cardoso, estão os investimentos necessários para que o
Brasil possa sediar a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos de
2016.

Grandes empresas, como a Votorantim Cimentos e a
Camargo Corrêa Cimentos, já estão de olho na demanda pelo insumo que esse
cenário projeta nos próximos anos e anunciaram expansões de capacidade. A
primeira prevê desembolsar R$ 2,5 bilhões em novas fábricas no País até 2013,
enquanto o braço de cimentos do grupo Camargo Corrêa planeja investir R$ 3,6
bilhões até 2016 para ampliar em 75% a capacidade de produção.

Para atender à corrida por cimento da construção
civil, a Votorantim precisou importar o produto pela primeira vez no ano
passado. Foram compradas 300 mil toneladas de cimento do Vietnã, que
desembarcaram no Porto de Fortaleza. "Temos observado uma demanda forte
por cimento desde o ano passado e a tendência é de alta", afirmou Cardoso.
Segundo ele, a recuperação de preço também contribui.

"O preço do cimento chegou a achatar durante
um período, mas se recuperou nos últimos 12 meses. Por isso, nós vemos grande
interesse por nossas operações." Esse aumento nos preços refletiu a
escassez do produto, que precisou ser importado no segundo semestre para
atender ao crescimento da demanda brasileira. O cenário positivo apresentado
pelo BNDES pode ser constatado pelos dados do Sindicato Nacional da Indústria
de Cimento (SNIC). Segundo a entidade, as vendas cresceram 14,8% entre 2009 e
2010. Os primeiros números deste ano também são animadores, com vendas em
janeiro apontando para incremento de 9,1% frente a igual período de 2010.

A região Sudeste foi a que mais consumiu cimento
no ano passado, totalizando 29,6 milhões de toneladas, aumento de 13,9% frente
a 2009. Já o maior crescimento percentual ficou com a região Norte (57,9%),
onde estão sendo construídas as hidrelétricas de Jirau e São Antônio. As
compras dos estados do Norte somaram 3,3 milhões de toneladas.


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-BC
Sinduscom-VT
Sinduscon-AM
Ademi – PR
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Sinduscon-PA
Assilcon
ASSECOB
Sinduscon-GO
SECOVI- PB
AELO
Sinduscon-Extremo Oeste
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X