Logo da CBIC

Agência CBIC

04/06/2020

CBIC lança estudo ‘O labirinto das obras públicas’

A Comissão de Infraestrutura (Coinfra) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) deu início, nesta quinta-feira (4), a um ciclo de debates regionais para tratar sobre ‘O labirinto das obras públicas’. Na oportunidade, um estudo sobre o tema foi divulgado e já está disponível na área ‘publicações’ do site da CBIC.

Brasília foi a primeira cidade a receber o evento, que tem o objetivo de visitar todos os estados do Brasil para entender os entraves locais e buscar soluções para destravar as obras. Participaram do debate:

  • Carlos Eduardo Lima Jorge, presidente da Coinfra;
  • Dionyzio Klavdianos, presidente do Sinduscon-DF;
  • Luiz Afonso Delgado Assad, presidente da Asbraco;
  • Luciano Carvalho de Oliveira, secretário de Obras e Infraestrutura do DF;
  • Cândido Teles de Araújo, presidente da Cia. Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap);
  • José Eduardo Guidi (Engenheiro, Perito Judicial e Especialista em Gestão Pública, Insper/SP);
  • Ruyter Thuin, do Sinduscon-DF;
  • Sérgio Lemos, diretor de Urbanização da Novacap;
  • Paulo Wanderson Moreira Martins, controlador-geral do DF;
  • Fernando Vernalha (Doutor em direito e sócio do VGP Advogados);
  • Fauzi Nacfur Júnior, diretor-geral do DER/DF;
  • Gustavo Rodrigues Lírio, Subcontrolador de Controle Interno do DF.

O Sindicato da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF) e a Associação Brasiliense dos Construtores (Asbraco) são correalizadores do evento, que integra o projeto ‘Melhoria da competitividade e da segurança jurídica para ampliação de mercado na infraestrutura’, da CBIC em parceria com o Senai Nacional.

O estudo

Pelos cálculos do Tribunal de Contas da União (TCU), o comparativo entre o valor do estoque da Dívida Pública Federal (DPF) em abril de 2019 com o prejuízo advindo das obras inacabadas representa um desperdício de aproximadamente 30% de toda a dívida contraída pela União. Levando em consideração o fluxo anual de orçamento, o déficit fiscal para 2019 foi apontado na Lei Nº 13.808/19 (LOA) em R$ 249 bilhões. Ou seja, o prejuízo com obras paralisadas chega a quase R$ 80 bilhões. Preocupada com o assunto e buscando debater os entraves que a execução das obras públicas adquiriu no país, a CBIC lançou o estudo “O labirinto das obras públicas”.

A publicação, de autoria do Engenheiro José Eduardo Guidi, analisa a conturbada relação entre os contratantes, os contratados e os controladores das obras públicas brasileiras, realidade que se revelou como um dos principais motivadores dos milhões de empreendimentos paralisados no país. De acordo com Guidi, o prejuízo, além de econômico, é social. “A sociedade também paga por essas paralisações, arcando com o prejuízo do investimento mal administrado e que não vê retorno, com a impossibilidade de colocar um filho na creche, a ausência de um posto de saúde em distância razoável ou a inexistência do saneamento básico que impeça a proliferação de doenças. Enfim, é o custo de um país que ainda não conseguiu pavimentar o melhor caminho para seus cidadãos”, destacou.

Para o presidente da Comissão de Infraestrutura (Coinfra) da CBIC, Carlos Eduardo Lima Jorge, o objetivo principal do estudo é apresentar uma interlocução construtiva com os agentes que atuam nos processos de licitação e contratação de obras públicas. “A ideia é aprofundarmos a discussão para garantir o principal, que é a entrega dos empreendimentos à sociedade nos prazos, com qualidade e nos custos adequados. Esse aperfeiçoamento que estamos propondo deve se basear em critérios técnicos, que sustentem com segurança jurídica as decisões que vierem a ser tomadas pelos contratantes, pelos contratados e pelos controladores. Tenho certeza de que esse estudo vai contribuir muito para o debate acerca do tema”, explicou Lima Jorge.

A questão do ‘apagão das canetas’ – temor de gestores públicos de assinar qualquer documento que lhes possa comprometer, inclusive como pessoa física, mediante os órgãos de controle e a Justiça, também foi abordada na publicação.  Hoje, segundo Guidi, a vigilância do Ministério Público e do TCU, com deveres constitucionais de fiscalizar, é tão forte que resulta em uma semiparalisia da máquina estatal. Na prática, esse apagão representa 37% das obras públicas inacabadas. “As consequências dessa dinâmica alcançaram níveis alarmantes para o país e terminaram por atingir em cheio um dos principais motores do nosso desenvolvimento: o setor da infraestrutura”, afirmou Guidi.

Outro capítulo da publicação trata sobre Governança e Engenharia Legal. O estudo sugere ser possível adotar a gestão de riscos de modo complementar ao processo decisório, preenchendo a lacuna da análise marginal e oferecendo segurança adicional aos gestores públicos. “Não existe juízo absoluto quanto a inexequibilidade de uma proposta, mas é possível tornar o ambiente decisório mais controlado e menos incerto. Ainda assim, é possível que o esforço da administração não seja suficiente para trazer o risco ao patamar tolerado”, analisou Guidi.

Apresentar propostas de ações, que em um curto prazo ofereçam segurança jurídica aos que participam direta e indiretamente dessas obras, é outro ponto destacado. “A intenção do estudo não é promover aperfeiçoamento da legislação, mas oferecer metodologia capaz de estreitar a assimetria de informação entre controlador e controlado. Não se pretende questionar a discricionariedade da administração para contratar ou não um parceiro temerário, mas, se o fizer, que tenha melhor ciência dos riscos inerentes à eventual decisão”, reforçou o engenheiro.

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Outubro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscom-NH
APEMEC
Sinduscom-SL
Sinduscon-CE
Sinduscon-TAP
Ademi – RJ
Aconvap
Sinduscon – Grande Florianópolis
Sinduscon-JF
ADEMI – BA
FENAPC
APEOP-PR
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
X