Logo da CBIC

Agência CBIC

07/01/2011

BC descarta medidas de curto prazo para frear crédito imobiliário

 

07/01/2011 :: Edição 039

Jornal Brasil/DF|   07/01/2011
BC descarta medidas de curto prazo para frear crédito imobiliário

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, descartou medidas de curto prazo para conter o crescimento do crédito imobiliário. Ele, no entanto, admitiu que a autoridade monetária vai monitorar com mais intensidade o comportamento dos financiamentos habitacionais.

 Segundo Tombini, o crescimento do mercado de financiamento imobiliário nos últimos anos decorre, principalmente, do déficit de moradia, que estimula as pessoas a comprar em momentos de expansão do crédito e de estabilidade da economia. "É natural que, com uma demanda reprimida de 6 milhões de unidades [habitacionais], o crédito imobiliário tenda a crescer e a preencher a participação nas carteiras das instituições financeiras", disse.

 Apesar da expansão dos financiamentos imobiliários, Tombini afirmou que o crédito habitacional no Brasil ainda não representa ameaça ao sistema financeiro. "Mesmo com todo o crescimento, a base do crédito imobiliário é de menos de 5% do PIB [Produto Interno Bruto]. Outras economias têm nível de financiamento imobiliário ainda maior", ressaltou.

 O presidente do BC descartou adotar medidas prudenciais (alterar as regras de crédito para reduzir riscos) para o setor imobiliário. Ele, no entanto, lembrou que a crise financeira internacional teve origem, justamente, nos financiamentos habitacionais nos Estados Unidos. Por isso, Tombini justifica a necessidade de monitorar o segmento para evitar que o processo de formação da "bolha imobiliária" se repita no Brasil.

 "Com a crise internacional, o Brasil precisa estar atento. Nada que requeira medidas prudenciais, apenas o monitoramento contínuo do mercado de crédito imobiliário. Para a autoridade monetária, esse é um tema que ganha importância hoje e nos próximos anos", afirmou.

 Na avaliação de Tombini, o crédito imobiliário crescerá um pouco mais que o crédito ao consumo. Segundo ele, os empréstimos e financiamentos voltados ao consumo devem crescer cerca de 10% este ano, menos do que o estimado inicialmente. "O crédito ao consumo crescerá a taxas mais moderadas", declarou.

 Para Tombini, as medidas tomadas em dezembro, como a elevação dos compulsórios (parte do dinheiro captado pelos bancos e recolhidos compulsoriamente ao Banco Central), não inviabilizam o crédito ao consumidor, mas aumentam a segurança das operações e impedem o endividamento excessivo das famílias. "As medidas de dezembro não são impeditivas. A expectativa é que o crédito ao consumo cresça 10%, mas de forma mais segura quanto a prazos e garantias", acrescentou.

 Fonte:Agência Brasil

"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

 
 
"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-PE
Assilcon
APEOP-SP
Sinduscon-Mossoró
Sinduscon-JP
SECOVI- PB
FENAPC
Sinduscon-CE
Sinduscon-Brusque
Sinduscon-MA
APEMEC
Sindicopes
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X