Logo da CBIC

Agência CBIC

29/11/2012

Analistas projetam PIB de 1,2% no 3º tri

"Cbic"
29/11/2012

Valor Econômico/BR

Analistas projetam PIB de 1,2% no 3º tri

Conjuntura Para economistas, medidas do governo para reativar a produção da indústria já fazem efeito
 Tainara Machado e Francine De Lorenzo
 As medidas adotadas pelo governo para estimular o consumo e, com isso, reativar a produção da indústria, tiveram efeito mais pronunciado no terceiro trimestre, na avaliação de economistas ouvidos pelo Valor , e contribuíram para que a economia mostrasse retomada mais forte no período. A média das projeções de 11 consultorias e instituições financeiras coletadas pelo Valor Data é de expansão de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) entre o segundo e o terceiro trimestres, feitos os ajustes sazonais. A estimativa embute forte aceleração da economia em relação ao crescimento de 0,4% observado entre abril e junho e, se confirmada, reforça o discurso das autoridades econômicas de que a economia ganhou tração recentemente. As projeções variam de alta de 0,9% a avanço de 1,3% no trimestre. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o resultado amanhã.
 Para analistas, ocorreu um equilíbrio maior entre as forças que impulsionaram o avanço da atividade no período, com contribuições positivas dos três componentes pelo lado da oferta: indústria, serviços e agropecuária. Já o consumo das famílias também seguiu firme, com estimativas entre avanço de 0,7% e 1,5%, influenciado por estímulos tributários e condições ainda bastante favoráveis do mercado de trabalho. A nota negativa, mais uma vez, deve vir dos investimentos. A projeção é que a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida das contas nacionais do que se investe em máquinas e equipamentos e na construção civil) tenha recuado 1% entre julho e setembro, amargando assim o quinto trimestre consecutivo de retração dos investimentos.
 De acordo com os cálculos do Bradesco, entre julho e setembro a economia brasileira cresceu 1,2% em relação ao segundo trimestre. Esse número, se confirmado, será a taxa de expansão mais forte da economia desde o segundo trimestre de 2010, quando o PIB avançou ligeiramente mais, 1,3%.
 Para Robson Pereira, economista do Bradesco, os estímulos adotados pelo governo para reativar a produção industrial, principalmente a redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis, favoreceram a normalização dos estoques e o aumento da atividade nas fábricas no período. Pereira projeta que, no PIB, o segmento industrial terá alta de 0,5% na passagem trimestral, avanço apenas um pouco menor do que o do setor de serviços, com crescimento esperado de 0,8%. Essa retomada mais equilibrada vai diminuir o descompasso entre os dois ramos de atividade. O setor de serviços, motor da economia no período recente, avançou 1,6% nos quatro trimestres encerrados em junho, enquanto a indústria, com dificuldades de competitividade, recuou 0,4% no período.
 Marcelo Arnosti, economista-chefe da BB-DTVM, afirma que as medidas de estímulo, aliadas ao crescimento da renda e da população ocupada no período, também contribuíram para que a demanda interna se acelerasse. O economista projeta alta de 1,4% do consumo das famílias no período. O setor externo, que pesou no último trimestre, agora deve contribuir com 0,5 ponto percentual de crescimento. Para Arnosti, as importações recuarão 1%, condizente com cenário de avanço ainda muito modesto dos investimentos, que costumam ser grandes demandantes de produtos importados.
 Para Bráulio Borges, economista-chefe da LCA Consultores, o investimento repetiu no terceiro trimestre a queda de 0,7% verificada entre abril e junho. O investimento só deve se recuperar no quarto trimestre, quando teremos um avanço forte, de cerca de 4% sobre o terceiro trimestre, afirma.
 Aurélio Bicalho, do Itaú, projeta alta de 1% do investimento no último trimestre do ano, mas é cauteloso ao afirmar que os projetos não deslancham com mais rapidez porque o ambiente externo segue conturbado e há dúvidas em relação ao desempenho da economia com a retirada dos incentivos.
 _____
 O que esperam os economistas
 Estimativas para o PIB para o 3º trimestre 2012/2º trimestre de 2012 (%)
 BB BTVM
 BRADESCO
 BANCO FATOR
 HSBC
 ITAÚ UNIBANCO
 LCA CONSULTORIA
 MB ASSOCIADOS
 MCM CONSULTORES ASSOCIADOS
 ROSENBERG & ASSOCIADOS
 SANTANDER
 TENDÊNCIAS CONSULTORIA INTEGRADA
 MÉDIA
 _____
 Com estímulos,economistas esperam forte consumo das famílias e reação da indústria (%)
 Formação Bruta e Capital Fino
 Consumo das famílias
 Consumo do governo
 Exportações
 Importações
 Indústria
 Serviços
 Agro



 



"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-MS
Sinduscon PR – Noroete
Sinduscon-Pelotas
Sinduscon-RR
Sinduscon-Porto Velho
Sinduscon-AM
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon-JP
Sinduscon-AL
ASEOPP
SECONCI BRASIL
Sinduscon-Costa de Esmeralda
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
X