Logo da CBIC

Agência CBIC

01/04/2011

A usina e o Brasil real

01/04/2011 :: Edição 069

Revista Exame/BR   |   01/04/2011

a usina e o brasil real

A violência que parou a construção da usina de Jirau foi gerada pelo choque
entre o progresso e as piores mazelas sociais. O que fica claro é a falta de
planejamento das grandes obras no Brasil – NICHOLAS VITAL, DE PORTO VELHO

De acordo com a OAB de Rondônia, até l8% dos trabalhadores da obra de Jirau
são foragidos da Justiça em outros estados

O Programa de Aceleração do
Crescimento
foi abalado nas últimas duas semanas por cenas de faroeste
em uma de suas principais obras. Em contraste com o discurso oficial que
enaltece o desenvolvimento, a violência na hidrelétrica de Jirau, no rio
Madeira, em Rondônia, mostra a distância entre o Brasil imaginado em Brasília e
o país real. No primeiro, grandes obras espalhadas pelo país inauguram uma nova
era de progresso para milhões de brasileiros. O quebra-quebra com dezenas de
ônibus incendiados, destruição dos alojamentos que abrigavam 17000 operários e
roubo de postos bancários, porém, mostrou a realidade nua e crua de um pedaço
do Brasil marcado pelo mais profundo subdesenvolvimento. A Amazônia das grandes
obras é também a terra de ninguém, de onde o Estado se ausenta e onde a
desordem impera.

Uma visita às obras da usina de Jirau evidencia a convivência dessas duas
realidades distintas. O canteiro de obras lá instalado não é nenhum hotel cinco
estrelas. Os alojamentos que abrigavam, cada um, oito homens ou quatro mulheres
eram modestos, mas contavam com um mínimo de higiene e com aparelhos de ar condicionado.
A rotina dos operários incluía a formação de filas para quase tudo – mas havia
comida e transporte para todos.

O salário médio dos operários é de 1500 reais. Fora do canteiro de obra, em
povoados encravados na floresta, a situação é outra. Saneamento, saúde,
educação e segurança são precários, quando não inexistentes. Prostituição,
criminalidade e tráfico de drogas proliferam nos arredores, estimulados por um
fluxo inédito de trabalhadores e novos habitantes.

As causas por trás do tumulto em Jirau ainda são obscuras. Segundo os
representantes da Camargo Corrêa, empresa responsável pela obra, a onda de
destruição teria começado com uma briga entre motoristas de ônibus e
trabalhadores. A imprensa local sugeriu tratar-se de uma revolta por melhores
condições de trabalho, embora nenhuma pauta de reivindicações tivesse sido
entregue pelos empregados ou por seus sindicatos antes ou depois do
quebraquebra. Com o passar dos dias, crescem as suspeitas de que seu estopim
tenha sido puro banditismo. Operários disseram à reportagem de EXAME que a
destruição dos alojamentos e o incêndio de ônibus teriam sido praticados por 50
homens encapuzados. Durante a confusão, dois caixas eletrônicos foram cortados
ao meio com o auxílio de maçaricos, e o dinheiro, roubado. "Ninguém
entendeu o que estava acontecendo", afirma Marcos Maílton, de 18 anos,
auxiliar de topografia contratado da construtora Camargo Corrêa. "Só deu
tempo de pegar os documentos e correr." O clima de tensão logo chegou à
usina Santo Antônio, obra da Odebrecht, a 100 quilômetros dali. Temendo uma
"contaminação", os executivos da empreiteira suspenderam os
trabalhos. Dias depois, os trabalhadores de Santo Antônio, liderados pela
Central Única dos Trabalhadores,cruzaram os braços. Aí, sim, com uma pauta de
reivindicações preliminar que incluía melhoria na alimentação, reajuste de 30%
nos salários e dez dias de folga a cada três meses trabalhados, com direito a
passagem aérea para voltar para casa. As obras nas duas usinas seguiam paradas
até o fechamento desta edição, em 28 de março.

BANDITISMO

Também para a Polícia Civil de Rondônia, responsável pelas investigações, os
atos de vandalismo em Jirau podem não ter relação com questões trabalhistas,
que teriam surgido após os tumultos. Os investigadores trabalham com a hipótese
de a baderna ter sido causada por bandidos infiltrados entre os funcionários da
Camargo Corrêa. Eles teriam iniciado a quebradeira e aproveitado a confusão
para assaltar os terminais bancários. Neste ano, já haviam sido registrados dois
assaltos a

bancos na região – o último deles em fevereiro, dentro de Jirau. A segurança
no local era frágil, feita apenas por empresas de proteção patrimonial, que
contam com homens desarmados e sem poder de polícia. De acordo com Pedro
Alexandre Assis Moreira, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem
dos Advogados do Brasil de Rondônia, até 18% dos trabalhadores de Jirau podem
ser foragidos da Justiça em outros estados. Entre os 20 homens detidos no
tumulto em Jirau, dois eram procurados."A empresa precisava de muita
gente. Foi contratando quem aparecesse pela frente", afirma Assis Moreira,
da OAB. Segundo os executivos da Camargo Corrêa, as contratações para as obras
de Jirau são feitas por meio do Sistema Nacional de Empregos do governo federal
e por empresas especializadas.

A reportagem de EXAME chegou a Jirau na quinta-feira 24 de março. Na
ocasião, apenas 650 funcionários da Enesa, empresa contratada para a montagem
das comportas, estavam trabalhando. Quase 10.000 empregados da Camargo Corrêa
haviam voltado para casa, em diversos estados, onde devem permanecer em licença
até que os alojamentos queimados sejam reconstruídos. Nesse período, seus
empregos serão mantidos, e os salários, pagos. "Não vamos atrasar a obra
por causa desse episódio", diz Victor Paranhos, presidente do consórcio
Energia Sustentável do Brasil, responsável por Jirau e formado por GDF Suez,
Camargo Corrêa, Eletrosul e Chesf. "Mas vai haver uma redução na
antecipação da entrega." O consórcio esperava começar a gerar energia na
hidrelétrica em maio de 2012, oito meses antes do prazo acertado com o governo,
e faturar até 1,5 bilhão de reais com a venda no mercado livre.

O episódio em Jirau comprometeu a imagem das empresas envolvidas na obra
(que estão tendo de explicar-se), do governo
de Rondônia (que vê expostos ao mundo gravíssimos problemas sociais) e
sobretudo do PAC, o principal
projeto de infraestrutura do atual governo,
com 1 trilhão de reais de investimentos previstos até 2014. Aos 38000 homens
que pararam em Jirau e Santo Antônio somaram-se 60000 trabalhadores de braços
cruzados em obras do programa instaladas nos estados de Mato Grosso do Sul,
Pernambuco, Ceará, Sergipe e São Paulo. A onda de greve no PAC é um alerta – e uma ameaça. Com o
avanço das obras de infraestrutura, o mercado da construção civil deverá ficar ainda mais aquecido daqui para a
frente, o que pode gerar mais tensões entre empregados e empregadores. "Os
trabalhadores sabem a força que têm no momento", diz Luiz Carlos José de
Queiroz, secretário de Políticas Sociais da CUT. "O recado deles será
claro:’se não derem o que a gente quer, o PAC não vai andar’", diz um executivo do setor que prefere
não se identificar. Para tentar obter um acordo entre as partes e retomar as
obras, estava prevista uma reunião para a terça-feira 29, entre o
secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, o Ministério Público e
representantes da CUT, da Força Sindical e de concessionárias responsáveis
pelas obras.

Passada a tormenta, a única certeza até agora é que a briga entre motoristas
de ônibus e operários apenas trouxe à . luz uma tensão que já existia.
Trabalhadores ouvidos pela reportagem de EXAME dizem que os alojamentos em
Jirau eram decentes, a comida era boa e existia uma área de lazer com sala de
jogos e cinema. Mas as longas filas no refeitório e as condições de trabalho
duras da Amazônia incomodavam. O calor escaldante na obra, as longas jornadas e
a distância da família causavam estresse. Segundo esses funcionários, que ainda
permanecem na região da obra, uma greve estava sendo programada para as
próximas semanas. Entre as principais reivindicações estariam a volta
da"classificação", uma espécie de plano de carreira em que o
empregado é promovido a cada três meses, e o aumento no limite de horas extras,
restrito pela legislação trabalhista a 40 horas mensais. "O trabalhador
que vem de outro estado e está longe da família quer trabalhar e ganhar o
máximo de dinheiro possível", afirma o soldador João Carlos da Silva, do
Piauí, atraído a Rondônia pela promessa de um emprego formale de ganhos que
poderiam chegar a mais de 2000 reais mensais.

Independentemente do que tenha motivado os ataques a Jirau, fica patente a
falta de planejamento e de recursos no Brasil para pôr de pé grandes obras de
infraestrutura. Graças à construção de duas grandes hidrelétricas – Jirau e
Santo Antônio -, o estado de Rondônia deve receber investimentos de 28 bilhões
de reais. Com o dinheiro e com os novos negócios que ele pode gerar, chega uma
população flutuante que precisa de saúde, educação e segurança. Essa
infraestrutura não foi construída. Desde a chegada dos trabalhadores aos
canteiros de obras das usinas, os índices de criminalidade na capital Porto
Velho dobraram. Em Jaci-Paraná, distrito distante 20 quilômetros do canteiro de
Jirau, o número de assaltos a residências duplicou e o de lesões corporais foi
multiplicado por 8 em 2010. Os traficantes de drogas – sobretudo cocaína e
crack – estão por todos os lados, a postos para vender sua mercadoria aos
recém-chegados. Não há policiais suficientes para combatê-los. Em Porto Velho,
faltam vagas nas escolas, os hospitais estão lotados e o trânsito é caótico.
Atualmente, 410 000 pessoas vivem na cidade, 40 000 a mais que há três anos. O
número de carros em circulação já chega a 150 000, o que colaborou para que o
número de acidentes de trânsito dobrasse desde 2007. O número de estupros
cresceu 77% nos últimos dois anos. "Não estávamos preparados para tanto
crescimento", diz o governador Confúcio Moura. A violência e os prejuízos
em Jirau mostram que progresso vai muito além de obras colossais – uma lição
que vale para todo o país.


"banner"  
"banner"  
"banner"  
"banner"  

"Cbic"

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

22Jan16:0017:30Reunião com a CAIXA: Apresentação Técnica das Melhorias e Respostas às Dúvidas Existentes16:00 - 17:30 Virtual

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-Oeste/PR
Sinduscon-Extremo Oeste
SECOVI-PR
Ademi – AL
Sinduscom-SL
Ademi – PR
Sinduscon – Vale do Piranga
Ademi – GO
Sinduscon-SF
Sindicopes
ADEMI-AM
APEOP-SP
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X