Logo da CBIC

AGÊNCIA CBIC

06/10/2023

Live CBIC Economia analisa reflexos da alta do dólar no Brasil

A taxa de câmbio, que atingiu o maior patamar desde março deste ano, foi um dos temas principais apresentados pela economista da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBI), Ieda Vasconcelos, nesta sexta-feira (6), durante live quinzenal transmitida no Instagram da entidade.

A taxa se refere ao dólar, que fechou o dia cotado a R$ 5,1690 na venda, em alta de 0,31%. Esta é a maior cotação de fechamento desde 27 de março deste ano, quando a moeda atingiu 5,2075 reais.

A justificativa da economista para que a moeda voltasse a ultrapassar a casa dos R$ 5 são os juros americanos, que estão entre 5,25% e 5,5%. “É a maior taxa para os Estados Unidos dos últimos 22 anos e ela chegou nesse patamar para combater a inflação americana que está acima da meta inflacionária que é de 2% e se encontra em 3,7%”, explicou Ieda.

Ainda de acordo com a economista, com a alta do dólar, os títulos americanos passam a ser mais atrativos para os investidores. “E com isso, acaba tirando o investimento de países emergentes como o Brasil, que são países que têm o cenário de maior incerteza na economia”, destacou. Com uma taxa de câmbio alta, a inflação brasileira é pressionada a se manter alta como tentativa de atrair investimentos e manter o crescimento econômico do país.

A economista também analisou os últimos resultados do indicador de inflação brasileira, o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que teve uma variação de 0,45% em setembro. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,05%. “Todos os três componentes do IGP-DI apresentaram resultados positivos. O Índice de Preços ao Produtor variou cerca de 0,40% e o Índice de Preços ao Consumidor variou 0,27% e até o INCC aumentou, variando 0,34%”, destacou.

Ela explicou ainda que no cenário do consumidor, o combustível foi a principal influência, com um aumento de 2,62%, em comparação com 1,24% na última apuração. Quanto ao Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), os serviços registraram um aumento de 0,52%, em contraste com os 0,25% registrados em agosto.

A economista também detalhou a variação de 0,34% do INCC, que foi a maior desde junho. “Essa elevação decorreu do aumento do custo com materiais, que aumentou 0,18%, mas principalmente do custo com a mão de obra, que aumentou 0,53%, e até mesmo os serviços aumentaram nesse patamar de 0,5%”, pontuou Ieda Vasconcelos.

A saída bilionária das cadernetas de poupança também foi outro tema analisado pela economista, que trouxe dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). “Com esse patamar de juros no Brasil, a caderneta de poupança tem perdido sistematicamente recursos. O SBPE já perdeu, de janeiro a setembro deste ano, R$ 72 bilhões. Isso significa que as saídas das cadernetas foram superiores às entradas”, disse Ieda.

Ela explicou que o resultado gera uma grande preocupação no setor da construção, pois ela é uma das fontes principais de financiamento imobiliário. “Menos recurso, menos financiamento imobiliário”, finalizou.

Para conferir a live completa clique aqui ou acesse o perfil da CBIC no Instagram.

A ação integra o projeto “Inteligência Setorial Estratégica”, realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi Nacional) e com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional).

COMPARTILHE!

Julho/2024

Parceiros e Afiliações

Associados

 
Sinduscom-NH
SECOVI-GO
Sinduscon-MA
Sinduscon-ES
Sindicopes
Sinduscom-SL
AELO
Ademi – DF
Sinduscon-Pelotas
SECONCI BRASIL
SECOVI-PR
ASBRACO
 

Clique Aqui e conheça nossos parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 

Parceiros

 
Multiplike
Mútua – Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea