Logo da CBIC

Agência CBIC

13/09/2011

Gleisi responde a Gurgel e defende RDC da Copa

"Cbic"
13/09/2011 :: Edição 176

 

Jornal O Estado de S. Paulo/BR 13/09/2011
 

Gleisi responde a Gurgel e defende RDC da Copa

Escalada pelo Planalto, chefe da Casa Civil justifica à procuradoria a adoção do regime diferenciado para ganhar tempo nas obras do Mundial

 Em rota de colisão com o Ministério Público, o Palácio do Planalto escalou ontem a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, para fazer a defesa do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC).
 Três dias depois da ação direta de inconstitucionalidade proposta pela Procuradoria-Geral da República contra o RDC no Supremo Tribunal Federal (STF), Gleisi defendeu publicamente o sistema, diante do procurador-geral, Roberto Gurgel.
 "O RDC pretende ser uma alternativa à Lei 8.666, que não tem dado resposta rápida e eficaz. Não há nele qualquer inconstitucionalidade. Acredito que a sua prática poderá contribuir muito mais nesse processo", disse a ministra ontem, no Tribunal de Contas da União (TCU), na abertura do Seminário de Desenvolvimento de Infraestrutura no Pós-Crise. Gurgel, que estava compondo ao lado dela na mesa, não discursou no evento nem falou com jornalistas.
 Gleisi negou que a defesa do RDC seja uma provocação ao procurador. "Eu só fiz a defesa de um regime que consideramos importante para que a gente possa avançar no processo de licitação do Pais", afirmou. "É uma experiência que poderíamos testar (na Copa do Mundo e Olimpíada)".
 O presidente do TCU, Benjamin Zymler, considera que há mais vantagens do que riscos na adoção do RDC para as obras da Copa e da Olimpíada, em substituição à aplicação da Lei de Licitações. Para ele, uma das vantagens diz respeito à publicidade, pois o RDC estabelece boas práticas como a publicação eletrônica dos editais, além da eliminação de algumas etapas para a contratação das obras. "A capacidade de fiscalização por meio eletrônico é muito maior", comparou.
 Zymler não vê inconstitucionalidade "do ponto vista material" do RDC. Quanto à questão formal – se esse modelo de licitação deveria ser criado por projeto de lei ou medida provisória -, "cabe ao Supremo decidir". Na ação protocolada na sexta-feira, a Procuradoria-Geral da República argumenta que o RDC apresenta vários pontos que ferem a Constituição e pede ainda medida cautelar para que, até o fim do processo, haja a suspensão da eficácia da lei.
 O argumento é que a norma não fixa parâmetros mínimos de identificação das obras e compras que devam seguir o RDC. "Como está fora de discussão a relevância (da Olimpíada e da Copa), a mera referência a necessidades a eles vinculadas não oferece limitação alguma ao exercício da competência administrativa", enfatiza o texto da PGR.
"Cbic"

 

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Outubro/2020

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

30Out10:0012:30Roadshow: formação de preços e relações contratuais10:00 - 12:30 Mato Grosso do Sul - Online

30Out16:0017:30Webinar Coleta e Apuração do Índice Nacional de Custo da Construção - INCC/FGVV16:00 - 17:30 Via Zoom

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon-Vale do Itapocu
Sinduscon – Vale
Sinduscon-MG
Sinduscon-Caxias
Sinduscon-RN
Sinduscon-JP
Sinduscon-JF
Sinduscon-Extremo Oeste
SINDUSCON – SUL
APEOP-SP
Sinduscon-BNU
Ademi – SE
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme vaporesso diziizlepaylas betpark giriş betgaranti kolaybet oleybet diyarbakır escort escort istanbul escort izmir
X