Logo da CBIC

Agência CBIC

11/05/2020

Covid-19: Governo aprova modelo de hospital de campanha da CBIC

Demanda inicial "brain storm" do então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Em atendimento à demanda do Ministério da Saúde de estabelecer um programa assistencial, por meio de um hospital de campanha adequado ao tratamento do novo coronavírus (Covid-19), onde o modelo matriz fosse estabelecido e desenvolvido como diretriz geral para orientação aos estados, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) apresentou no último mês de abril ao governo federal projeto arquitetônico – aprovado pelo então ministro Luiz Henrique Mandetta, e encaminhado ao Ministério da Infraestrutura –, para ampliar a capacidade de atendimento com uma estrutura de caráter provisório até o fim do surto epidêmico.

“Não é qualquer modelo de hospital de campanha que pode ser implementado. Por isso, o Ministério da Saúde estabeleceu com o setor os protocolos médicos ideais que devem ser seguidos, que é uma série de procedimentos, desde a chegada do paciente até a sua saída, seja por morte ou por alta, e que são específicos para cada tipo de doença”, afirma o engenheiro civil Pedro Henrique de La Rocque Ferreira, coordenador técnico dos trabalhos.

Seguindo orientações do Sistema de Apoio à Elaboração de Projetos de Investimentos em Saúde (SomaSUS) e as premissas das legislações sanitárias vigentes, o projeto foi elaborado de forma colaborativa pela CBIC, por meio do engenheiro civil Pedro Ferreira e do arquiteto Carlos Marchesi (autor do projeto).

De acordo com o coordenador dos trabalhos, os protocolos estabelecidos estão intimamente ligados ao espaço físico demandado, áreas, setores, tipos de equipamentos, de instalações, de arquitetura e de engenharia geral que tem que ser feita.

“Muitas vezes os estados não têm capacidade de fazer isso, fazem de forma errada ou seguem um protocolo que não é o estabelecido e orientado pelo Ministério da Saúde, por isso a iniciativa do governo junto ao setor da construção para elaborar um projeto e atender a essa questão”, diz.

Além disso, segundo Pedro Ferreira, o trabalho foi importante para consolidar a necessidade de uma revisão da norma técnica e de um adendo que estabeleça essa questão de hospitais emergenciais.

“As normas e diretrizes atuais não contemplam hospitais de campanha”, menciona, ressaltando que “os protocolos médicos estão intimamente ligados à concepção arquitetônica e de engenharia do projeto desenvolvido, porque elementos como barreiras adequadas à biossegurança, que são fundamentais para o combate específico a essa pandemia, são muito particulares para criação desse modelo”, justifica.

O projeto contempla opções para execução em módulos sucessivos com 44 leitos cada, totalizando 176 leitos, e em módulo único, centralizada, com 192 leitos, e atende as condicionantes impostas pelo Ministério da Saúde no que se refere a:

  • Construção e montagem em 30 dias;
  • Ser transportável;
  • Obedecer as dimensões de um campo de futebol (padrão Fifa) pois todos são planos e os estádios já possuem acesso para veículos, entrada de energia, estrutura complementares de banheiros e vestiários em suas dependências, estacionamento em área externa para apoio;
  • Estrutura de instalações individuais por leito, com condições para atender paciente entubado em caso de emergência e necessidade, estrutura de apoios centralizadas de forma que a equipe se movimente não o paciente, e
  • Utilização das áreas comuns dos estádios para apoio administrativo, farmácia e almoxarifado central de abastecimento, alojamentos da equipe médica entre outros.

Além disso, contempla sistema de climatização para conforto com renovação de ar, distância de 2 metros entre leitos, sistema canalizado de oxigênio e ar comprimido medicinal, fornecimento de energia de emergência através de gerador, iluminação, pontos de energia nos leitos, estrutura de postos de enfermagem e apoios.

O engenheiro ressalta que o ideal, numa doença com uma disseminação epidemiológica tão alta, é que os setores, ao menos o de UTI, fossem abrigados com pressão negativa – que são elementos de ar condicionado e de exaustão exercendo pressão dentro do ambiente contaminado – para evitar a dispersão do vírus para outros ambientes e dar segurança ao corpo médico e de enfermagem.

“Esses elementos, logicamente em razão da situação emergencial, não foram contemplados porque seria inviável comprar equipamentos.  Então é valido salientar que devemos ter um foco no futuro e, com o aprendizado de que nova pandemia pode ocorrer, adquirir materiais para deixar em stand-by e, assim, termos as condições adequadas”.

A iniciativa integra o Mapeamento de Boas Práticas em Responsabilidade Social no setor da construção durante a pandemia do coronavírus e é parte integrante do ‘Projeto Responsabilidade Social e a Valorização do Trabalhador’, realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), em correalização com Serviço Social a Indústria (Sesi Nacional).

(Foto: Pedro Ferreira)

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Agosto/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
Sinduscon – Grande Florianópolis
Ademi – PE
APEOP-SP
Sinduscon-JP
Ademi – DF
Sinduscon-GO
Aconvap
Sinduscon-Brusque
Sinduscon-AM
Sinduscom-VT
Sinduscon-RO
Sinduscon-Vale do Itapocu
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
yabancı film izle Tekne Kiralama betboo karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet vaporesso vdcasino vdcasino giriş vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş betpark giriş betgaranti kolaybet diyarbakır escort escort istanbul istanbul escort bayan
X