Logo da CBIC

Agência CBIC

17/12/2020

Apesar de desabastecimento e com nível de atividade no mesmo patamar de 2007, construção foi setor que mais gerou empregos em 2020

Alta no preço dos insumos no período de janeiro a novembro foi de 17,72%, a maior do período pós-real. Números foram divulgados pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) nesta quinta-feira (17).

Brasília, 17/12/2020 – O Produto Interno Bruto (PIB) da construção civil no 3º trimestre de 2020 está no mesmo patamar do observado no início de 2007. As atividades do setor estão 36% abaixo do pico de 2014, quando atingiram seu melhor nível. Apesar disso, a construção foi o setor que mais gerou empregos no país nos primeiros dez meses de 2020, com a criação de 138.409 vagas formais, de acordo com dados do Ministério da Economia. Esse é o melhor resultado para o período desde 2013, quando a construção gerou 207.787 novas vagas.

Clique aqui para fazer download da apresentação

As informações foram apresentadas pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) nesta quinta-feira (16/12), durante coletiva de imprensa online para retrospectiva sobre o desempenho do setor em 2020 e projeções para 2021.

Na avaliação do presidente da entidade, José Carlos Martins, se o nível de atividade da construção estivesse em níveis mais elevados, certamente o país teria passado pela crise de outra maneira, com menos sofrimento. “As nossas atividades não foram paralisadas. Em março, imaginávamos que fecharíamos o ano com PIB negativo de até 11%. No entanto, vamos chegar ao fim do ano com projeção de redução de 2,8% e mais de 100 mil vagas geradas”, disse.

Confira
o vídeo da coletiva de imprensa no YouTube

Para que a avaliação se concretize, de acordo com Martins, é importante que os programas de concessões e os debates para reformas estruturantes tenham andamento tanto no Poder Executivo Federal quanto no Congresso Nacional. Medidas como a sanção da Lei 13.786/2018, a chamada Lei do Distrato Imobiliário, o Novo Marco do Saneamento e o lançamento do programa Casa Verde e Amarela também contribuem para o cenário favorável para 2021.

Pandemia e desabastecimento

Desde o início da pandemia de covid-19, a indústria da construção ganhou destaque pela rápida adoção de práticas de segurança e proteção sanitária de seus trabalhadores. Na avaliação da CBIC, foi uma grande vitória setorial. A entidade instrumentalizou associados, que discutiram em termos locais, em todo o país, a necessidade de manutenção dos empregos, atendendo a todas as recomendações e protocolos sanitários. “Ao prestigiarmos o nosso trabalhador, tivemos resultado social e humano. O retorno econômico veio como consequência”, avaliou o presidente da entidade.

Outro grande desafio para o setor em 2020 foi o desabastecimento. Na visão dos empresários da construção, conforme sondagem realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com o apoio da CBIC, o principal problema que eles enfrentaram no 3º trimestre do ano foi a falta ou o alto custo de matéria-prima, com 39,2% das assinalações.

De acordo com o INCC-Materiais e Equipamentos, calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a alta de preços no período de janeiro a novembro foi de 17,72%, a maior do período pós-real. Alguns insumos chegaram a registrar aumentos superiores a 50% no mesmo período.

Investimento

No 3º trimestre de 2020, a taxa de investimento do Brasil em relação ao seu PIB foi de 16,2%. Em outros países, ela é bem superior. China, Espanha, Austrália, Canadá, Chile, França e Uruguai já apresentaram, por exemplo, taxas de 42,84%, 20,02%, 23,31%, 22,1%, 22,44%, 23,63% e 17,18%, respectivamente.

Na última década (2010-2019), a construção foi responsável por cerca de 50% dos investimentos no Brasil. Em 2019, esse número foi de cerca de 44%.

Na avaliação da CBIC, o Brasil precisa solidificar o crescimento pelo investimento. Ieda Vasconcelos, economista da entidade, destaca que quando a taxa de investimento do Brasil foi superior a 21%, a construção civil participava com mais de 50% dessa taxa. “A taxa de investimento, para melhorar, precisa necessariamente passar pelo setor da construção civil”, afirmou.

A CBIC também apresentou uma análise da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) de Brasil, Canadá, Portugal, Colômbia, Espanha, Israel e México, verificando que é no Brasil que a construção tem a menor participação no indicador. No Canadá, a participação da construção na FBCF é de 69,25%, em Portugal 52%, na Colômbia 62,65%, na Espanha 49,87%, em Israel 53,16% e no México 55,69%.

No Brasil, a participação da construção na FBCF é de 44,16%. Assim, o país que possui a menor participação da construção na FBCF é, justamente, o país que também possui, nessa comparação, a menor taxa de investimento.

Expectativas e Projeções

De acordo com a Sondagem da Indústria da Construção, os empresários do setor possuem expectativas positivas para os próximos seis meses. Os resultados do trabalho sinalizam aumento na compra de insumos e geração de novas vagas. Os índices de expectativa também demonstram que os empresários estimam o aumento do nível de atividade e um maior volume de lançamentos de novos empreendimentos e serviços.

A perspectiva é que a economia brasileira encerre o ano de 2020 com queda de 4,41% no PIB. A retração aguardada para a construção no ano é de 2,8%. Para 2021, as expectativas para o país são positivas: é aguardada uma expansão de 3,5% para a economia brasileira. De acordo com projeções realizadas pela CBIC, a construção deverá incrementar 4% em seu PIB e, o que seria o maior crescimento do setor desde 2013 (4,5%). O risco para esse desempenho é o desabastecimento. “Com esse PIB, seriam abertas cerca de 150 mil novas vagas de trabalho. Estamos otimistas, mas conservadores”, disse Martins.

 

MAIS INFORMAÇÕES

Assessoria de Comunicação Social | CBIC

ascom@cbic.org.br

Alexandre Malvestio – (61) 98116-3443

COMPARTILHE!

Agenda de Eventos e Transmissões

Janeiro/2021

Filtrar eventos

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

Dom

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Nenhum evento

Parceiros e Afiliações

Parceiros

 
SECOVI- PB
Abrainc
Sinduscon-Porto Velho
Sinduscon-AP
Sinduscon-SP
Sinduscon-JF
Ademi – AL
Sinduscon-JP
SECOVI-PR
ADEMI – BA
Sindicopes
Sinduscon – Lagos
 

Clique aqui e veja todos os parceiros

Afiliações

 
CICA
CNI
FIIC
 
Tekne Kiralama karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet epoksi vaporesso betpark giriş betgaranti kolaybet En iyi casino siteleri diyarbakır escort escort istanbul escort izmir izmir escort
X