Logo da CBIC
09/12/2022

Net Zero Water será destaque na reunião da CMA na próxima terça-feira (13)

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) vai realizar sua 3a Reunião Ordinária na próxima terça-feira (13), das 9h às 11h.  A agenda será online e terá como foco o método Net Zero Water como uma solução para a gestão integrada de água para as edificações e cidades. Acompanhe pelo YouTube da CBIC e saiba mais sobre como essa iniciativa pode fazer frente aos desafios ocasionados pelas mudanças climáticas.

Uma ação importante e inédita da Comissão é o alinhamento das ações junto aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), que são um apelo global para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que as pessoas, em todos os lugares, possam desfrutar de paz e de prosperidade. Neste primeiro momento, para a reunião, serão trabalhados  em conjunto com os Objetivos 6, 7, 9, 11, 13, 14 e 17.

A consultora técnica da CBIC, Virgínia Sodré, explica o desenvolvimento e os objetivos do método Net Zero Water. 

Como é o Net Zero Water e como ele funciona?

O principal objetivo do Net Zero Water consiste na preservação dos recursos hídricos tanto em termos quantitativos quanto qualitativos, com o objetivo de neutralizar os impactos na bacia hidrográfica. Edifícios Net Zero Water visam minimizar o consumo total de água, maximizar fontes alternativas de água e minimizar o lançamento de efluentes sanitários, bem como retornar a água para a fonte original com qualidade igual ou superior. Um edifício neutro, em termos hídricos, é aquele onde a quantidade de água utilizada de fontes potáveis e não potáveis é balanceada com a quantidade de água devolvida à fonte original.

Construções que implementam a metodologia Net Zero Water promovem: a redução da demanda hídrica tanto por meio da implantação de tecnologias que consomem menos água quanto por meio da redução de perdas no sistema hidráulico predial; a diversificação da matriz hídrica pelo uso de fontes alternativas de água como, por exemplo, água de reuso, água de chuva, água de rebaixamento de lençol, entre outros; o tratamento dos efluentes residuais in loco, seu reuso e/ou devolução para o manancial explorado; e, por fim, a implementação de infraestruturas verdes para manejo das águas pluviais do local, favorecendo a infiltração e recarga do aquífero, neutralizando, assim, o consumo de água potável no empreendimento.

Quais os benefícios do método Net Zero Water para construção civil?

A metodologia Net Zero Water auxilia na diminuição dos custos por meio de ações de conservação de água e pode ser beneficiar também do acesso a linhas de crédito privilegiadas para construções verdes. Além disso, contribui para a consolidar a imagem da empresa no mercado por meio da responsabilidade ambiental e preocupação com os impactos no meio ambiente, ganhando a confiança e credibilidade de consumidores e empresas.

O desenvolvimento urbano no Brasil, está prioritariamente sendo intensificado em regiões que já possuem stress e com um grande adensamento populacional, segundo a CBIC há uma concentração de 68% das novas habitações no Brasil nas regiões nordeste e sudeste do nosso pais, onde temos atualmente a concentração de 70% da população brasileira e 9% da água doce disponível. Este estudo apresenta que há uma taxa de projeção de crescimento de novas moradias 3,7 vezes superior ao crescimento demográfico até 2030.  

O setor da construção civil tem uma grande responsabilidade no desenvolvimento urbano das cidades, influenciando a infraestrutura urbana, o saneamento ambiental, o transporte e os serviços públicos de forma que as ações desse setor impactam o entorno e trazem reflexos importantes para a gestão de água das cidades. 

As novas construções ditam não só o consumo de água durante a execução como também o consumo das novas edificações.

É importante destacar que a eficiência hídrica entrou na agenda do clima. Observa-se que ao reduzir a demanda de água, uma menor quantidade de esgoto é gerada, reduzindo, portanto, os custos operacionais e gastos energéticos na edificação, trazendo não só condomínios com custos mais atrativos, como também uma maior resiliência hídrica para o entorno. Do outro lado, o uso e adoção das infraestruturas verdes para gestão das águas pluviais e preservação de matas ciliares, são uma das práticas do projeto que buscam atender o conceito do net zero water, contribuindo com a melhora da qualidade da água que atinge os corpos hídricos, auxiliando desta forma na redução das emissões de carbono nas Estações de Tratamento de Água (ETA), por meio de um menor gasto energético no processo de potabilização da água. O reflorestamento de áreas e adoção de plantas a serem incorporadas nesses tipos de projetos, também auxiliam por sua vez no sequestro natural de carbono.

Estas soluções auxiliam à transição para uma economia de baixo carbono, tendo em vista que essa transição trará mudanças regulatórias e econômicas, fazendo com que alguns ativos ineficientes em termos de água e energia deixem de ser lucrativos.

Como a aplicação da Net Zero Water traz retorno para a sociedade?

Projetos como o Net Zero Water contribuem para a neutralização do impacto na bacia, com o aumento da disponibilidade hídrica, tanto em termos quantitativos quanto qualitativos, e, através da implementação de infraestruturas verdes, contribuem para o fornecimento de serviços ecossistêmicos a sociedade, melhorando a segurança e o bem-estar das pessoas.

Além disso, projetos Net Zero Water são grandes aliados das medidas de descarbonização, auxiliando no combate às mudanças climáticas e criando espaços resilientes aos eventos climáticos extremos.

Pensando em termos de edificação, inquilinos e proprietários também se beneficiam das edificações verdes, com menores custos operacionais e maior rentabilidade do imóvel, gerando maior lucratividade e valor agregado, e também com uma construção mais esponjosa e resiliente adaptada às novas mudanças climáticas.

É válido mais uma vez destacar, a importância de utilizarmos a água de forma sustentável, sendo um desafio cada vez mais urgente. Um número crescente de eventos climáticos está afetando as cadeias de abastecimento por causa de inundações, secas e escassez de água. Estes estudos apontam que as empresas precisam trazer o carbono para a conversa sobre a água: reconhecendo que a eficiência da água ajudará a reduzir os gases do efeito estufa e tomar medidas concretas agora para ajudar a alcançar isso (Forbes, 2022). Desde a concepção do produto, a seleção e aquisição de materiais, a construção e o uso da edificação ao longo de sua vida útil, existem várias atividades diretamente ou indiretamente relacionadas ao uso da água na indústria da construção civil, contribuir para a gestão da água é uma questão de sobrevivência para os negócios. 

Há exemplos de construção com Net Zero Water?

Um exemplo muito interessante de projeto certificado Net Zero Water é o novo campus da Microsoft no Vale do Silício, na Califórnia. Com a obra finalizada em junho de 2021, o campus conta com equipamentos hidrossanitários eficientes, 100% da demanda não potável de água sendo atendida por meio de água de chuva ou de reuso, paisagismo feito com plantas nativas da região e gestão das águas pluviais sendo feita por meio de jardins de chuva e biovaletas.  O campus, que é ocupado pela Microsoft desde 1999, foi reconstruído e, apesar de comportar 20% a mais de pessoas, conseguiu reduzir o consumo de água potável em 55% através das medidas adotadas.

O que espera da próxima reunião da CMA?

Espera-se que haja uma discussão do tema Net Zero Water para trazer essa pauta para o âmbito da construção civil, evidenciando a necessidade de um olhar mais amplo para o setor, ressaltaremos o impacto da indústria da construção no desenvolvimento urbano das cidades, e da inegável importância de ações que tragam neutralização para o impacto na bacia, é importante destacar que temos que também estimular a criação de arcabouço regulatório e diretrizes técnicas, para incentivarmos essa ação a nível municipal, o setor público precisa entender que é muito importante uma participação ativa deste, para que sejam implantadas soluções resilientes e descentralizadas para a gestão integrada  e sistêmica da água, nos grandes centros urbanos.

Deseja-se colocar na pauta que o governo e todos os setores precisam estar engajados para uma gestão participativa da água na bacia, ampliando o olhar para fora dos sites da construção, como uma forma de garantir a continuidade dos negócios, frente às atuais mudanças climáticas.

Nesta agenda, apresentaremos que a gestão da água é atualmente um dos maiores desafios globais, visto que mais de 90% dos eventos extremos relacionados às mudanças climáticas estão relacionados à água. Temos que ter uma compreensão mais ampla do papel do setor da construção para que possamos contribuir com soluções adaptadas e mais resilientes para a agenda atual da água nas cidades.

Os temas têm interface com o projeto “Futuro da Minha Cidade”, em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi Nacional) e está alinhado com os seguintes Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU 6, 7, 9, 11, 13, 14 e 17.

Agenda CMA

Junho, 2023

X