Logo da CBIC
16/09/2020

CBIC avalia aumento dos preços dos materiais em entrevista à CBN

Em entrevista nesta quarta-feira (16) à Rádio CBN, o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, comenta a alta dos preços dos materiais de construção. Em sua avaliação, o aumento é resultado da falta de oferta de produtos em quantidade suficiente para atender o mercado, uma vez que foi criado um desequilíbrio artificial por parte das empresas.

“Com a insegurança inicial provocada pela pandemia, em março, foi gerado um falso desabastecimento, que foi sendo aproveitado pelos fornecedores para recuperar preços. Se não houver um choque de oferta urgente, a memória inflacionária irá criar um caminho sem volta para a nossa economia”, destaca Martins.

O executivo ressalta que houve sinais de reaquecimento no mês de maio, começo de junho. “Nós já tínhamos esses sinais claros. Não houve a contrapartida de oferta de materiais suficientes para atender aquela demanda. Como continuou sem a oferta dos materiais, nós tivemos um problema sério de desabastecimento e aumento de preços”, avalia.

A reportagem também destaca as duas pesquisas realizadas pela CBIC nos últimos meses para verificar o que estava ocorrendo em relação ao desabastecimento e ao aumento nos preços dos materiais. A primeira, entre os dias 16 e 21 de julho deste ano, contou com 462 respostas oriundas de construtoras e incorporadoras de 25 estados. A segunda, no início deste mês de setembro, compilou documentos apurados e recebidos das próprias empresas fornecedoras dos materiais.

De acordo com o levantamento realizado entre julho e setembro junto a fornecedores e construtoras de 25 estados, houve um incremento expressivo nos preços dos materiais acima da inflação. A alta registrada no Índice Nacional de Custos da Construção – Materiais e Equipamentos, calculado e divulgado pela Fundação Getúlio Vargas, foi de 3,80% somente entre junho e agosto. No acumulado dos 12 meses anteriores até agosto deste ano, o aumento foi e 4,4%. A inflação do IPCA subiu 2,4% nesse período.

 

Repercussão nos estados

O assunto tem repercutido nos estados. Confira, a seguir, manifestações de algumas das entidades associadas à CBIC:

Alta no preço dos materiais de construção ameaça parar obras públicas

 

 

 

COMPARTILHE!

Agenda COMAT

Junho, 2024