Logo da CBIC
09/09/2019

Licenciamento ambiental é tema de debate na Câmara Federal

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), representada pelo advogado Marcos Saes, participou na tarde desta segunda-feira (09/09), no plenário da Câmara dos Deputados, da comissão geral para discutir o licenciamento ambiental. A comissão contou também com a presença de pesquisadores da área, representantes do setor produtivo e de ONGs, secretários estaduais e municipais de meio ambiente, representantes do Ibama e dos ministérios do Meio Ambiente, Infraestrutura e Turismo.

Marcos Saes destacou a importância da lei e que o projeto foi construído com ampla participação popular. “Essa lei não substitui a gestão ambiental nem a necessidade de fortalecimento dos órgãos ambientais. Mas ela é necessária porque todos os envolvidos precisam saber sobre as regras do jogo. Ter uma lei que procedimentalize o licenciamento ambiental é importante para o empreendedor, investidor e para os servidores dos órgãos ambientais”.

Saes afirmou ainda que hoje o Brasil tem mais de 70 mil normas regulatórias, o que torna uma lei geral extremamente necessária.

“Essa lei deve ser feita pensando no meio ambiente, na sociedade e no poderio econômico, que são o tripé da sustentabilidade”, Marcos Saes.

O fato de ser uma lei procedimental também foi lembrado pelo advogado. “Esta não é uma lei que está autorizando a supressão de vegetação ou diminuição de reserva legal de florestas no país, é uma lei procedimental e assim deve ser percebida. Por isso, defendemos uma simplificação da lei que beneficiará toda a cadeia envolvida”.

Já a representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Maria do Socorro Castello Branco, afirmou que a lei é necessária para evitar a insegurança jurídica que não beneficia ninguém. “Hoje há um excesso de burocracia e falha na transparência no processo de licenciamento. Isso faz com que o Brasil receba menos investimentos externos e confirma a urgência da criação de uma lei geral sobre o assunto”, disse Maria do Socorro.

De acordo com o diretor do World Wide Fund for Nature (WWF) Brasil, Raul Silva do Valle, os termos do PL estão corretos, porém ainda há pontos sensíveis que precisam ser levados em consideração. “É possível, sim, fazer uma lei menos burocrática e eficiente na defesa do meio ambiente. Mas chamo atenção para um aspecto problemático do projeto, que é não considerar os impactos ambientais indiretos. Isso é inconstitucional, todos os impactos devem ser avaliados”, ressaltou o diretor do WWF-Brasil.

O texto, que tramita há 15 anos, está sendo analisado por um grupo de trabalho na Câmara, que consolidou as propostas de lei geral para o setor. “O objetivo é justamente contrapor as visões opostas de cada setor para que a gente possa promover o debate e construir o projeto mais rico possível”. Em sua quinta versão, a ideia é levar o substitutivo do texto de Kataguiri para a votação no Plenário nos próximos dias.

COMPARTILHE!

Agenda CMA

Setembro, 2019

Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sab

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

Nenhum evento

X