Logo da CBIC

Agencia CBIC

21/01/2019

Contratos com DNIT ganham novos índices de reajustes para asfalto

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) publicou no dia 7 de janeiro a Instrução de Serviço Nº 1/2019, que aperfeiçoa e amplia os índices de reajustes de preços que são aplicados a cada 12 meses nos contratos de obras e serviços no âmbito do DNIT. A medida deve melhorar especialmente a adequação de preços de contratos que envolvem produtos asfálticos, demanda do setor produtivo apoiada diretamente pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Para o vice-presidente da área de Infraestrutura e presidente da Comissão de Infraestrutura da CBIC, Carlos Eduardo Lima Jorge, a IS Nº 1/2019 procurou considerar a diversidade e a relevância da aquisição dos produtos asfálticos na formação dos orçamentos das obras de infraestrutura de transportes e a volatilidade observada na comercialização de produtos asfálticos no Brasil, atualmente.

“Ela poderá refletir melhor, nos reajustes, os impactos que as empresas passaram a ter com a nova política de preços adotada pela Petrobras para preços de produtos asfálticos, cuja base de cálculo está vinculada a oscilações cambiais do dólar e do barril de petróleo no mercado internacional. Essa IS abriu caminho para melhorar a qualidade dos índices de reajustes contratuais“, avalia o vice-presidente.

Segundo Lima Jorge, a nova instrução de serviço trouxe de maneira muito positiva alguns índices novos, específicos.

“Alguns índices novos que constam no documento são o índice de asfalto modificado por polímero, o índice do asfalto borracha, o índice de emulsão asfáltica modificada e o índice de emulsão asfáltica de imprimação. São indicadores que não existiam anteriormente e que passam a compor a relação de índices de reajuste que serão levantados, como os demais, pela Fundação Getúlio Vargas”, destaca.

 

Instrução de Serviço procurou considerar a diversidade e a relevância da aquisição dos produtos asfálticos na formação dos orçamentos das obras Foto: Shutterstock

Inovação é anseio do setor

A nova instrução atende a um anseio do setor da construção, pois os contratos administrativos de empreendimentos pactuados no âmbito do DNIT são reajustados apenas uma vez e anualmente de acordo com o mês-base de referência, não incorporando eventuais distorções ocorridas nesse período.

Havia, assim, a necessidade de se definir a forma de cálculo e os índices de reajustamento de contratos com maior detalhamento e segurança, especialmente no que tange a diferenciação dos produtos asfálticos.

O acompanhamento do tema faz parte do projeto Melhoria da Competitividade e Ampliação de Mercado na Infraestrutura (ciclo 3), desenvolvido pela CBIC em correalização com o Senai Nacional.

“O setor já vinha pleiteando essa melhora nos índices de reajuste há vários anos, especialmente por meio da ANEOR [Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias], afirma Lima Jorge. “Em julho de 2018, por exemplo, nós tivemos no DNIT uma reunião da Coinfra, que é a Comissão de Infraestrutura da CBIC, para tratar de Índice de Reajuste. Foram convidadas para a reunião toda a cadeia que atua nessa questão de contratos do DNIT para discutir a necessidade de revisão de alguns índices. E isso se traduziu numa nova instrução de serviço”, lembra o vice-presidente de Infraestrutura.

Determinação de reequilíbrio de contratos

A publicação da Instrução de Serviço Nº1/2019 independe da determinação expressa em liminar concedida pelo juiz Rodrigo Parente Paiva Bentemuller, da 9ª vara da Justiça Federal Cível em Brasília, para que o DNIT apresente metodologia para estabelecer o realinhamento dos contratos de obras rodoviárias em todo o Brasil, corrigindo o impacto gerado pelos reajustes sucessivos dos preços do asfalto.

A partir do prazo estipulado, caso não atenda a determinação, o órgão federal estará sujeito ao pagamento de multa diária a ser definida em juízo. O juiz determinou, ainda, que o DNIT seja intimado em caráter de urgência. A liminar atende a pedido apresentado em conjunto pela CBIC, a ANEOR e o Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (SINICON), no âmbito de ação judicial desencadeada em setembro.

“A medida liminar foi necessária para suprir a omissão do DNIT que, mesmo ciente dos graves efeitos da política da Petrobras nos contratos de rodovia, permanecia inerte”, diz o advogado Fernando Vernalha, do escritório VG&P Associados, responsável pela ação. Desencadeada em novembro de 2017, a política de reajuste continuado do insumo asfáltico já significa aumento de 75% em um produto que representa 40% dos custos das obras de construção.

Diante do impacto de tais aumentos sobre os contratos, as entidades do setor têm buscado uma solução técnica que permita o realinhamento e garanta a continuidade e conclusão de centenas de obras espalhadas pelo país. O aumento nos preços do asfalto impacta pelo menos 400 obras, especialmente de recapeamento, que estão praticamente paralisadas. Em audiência de conciliação realizada em outubro, o DNIT comprometeu-se a apresentar solução – em novembro, o órgão pediu extensão do prazo, adiando novamente uma definição.

COMPARTILHE!

Agenda de la construcción

julio/2021

Filtrar eventos

lun

mar

mie

jue

vie

sab

dom

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

29jul17:0019:00Quintas da CBIC: A Odisseia para importar aço no Brasil17:00 - 19:00 Virtual

Socios y Entidades Confederadas

Socios

 
ADIT Brasil
Sinduscon-PA
Sinduson – GV
AEERJ – Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
Abrainc
ASEOPP
Ademi – RJ
Sinduscon-Brusque
Ademi – MA
Sinduscon-MG
ADEMI-AM
Sinduscon PR – Noroete
 

Marque aquí y consulte a nuestros socios

Entidades Confederadas

 
CICA
CNI
FIIC
 
yabancı film izle Tekne Kiralama betboo karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet vaporesso vdcasino vdcasino giriş vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş betpark giriş betgaranti kolaybet diyarbakır escort escort istanbul istanbul escort bayan
X