Logo da CBIC

Agencia CBIC

08/05/2015

Atividade fraca leva a alta do desemprego em todo o país

A desaceleração da atividade econômica provocou piora generalizada no mercado de trabalho do país no primeiro trimestre, mas os efeitos foram distintos entre as regiões e os Estados. No Nordeste, que já convive com uma taxa de desemprego próxima a 10% desde o ano passado, a conta chegou pela renda, que caiu 1,9% em termos reais na comparação ao mesmo período do ano passado. No Sudeste, a deterioração foi mais forte no aumento da taxa de desemprego e no baixo crescimento de novos postos de trabalho, mas o rendimento médio ainda cresceu 0,7% acima da inflação. Também chamou atenção o Centro-Oeste, pelo maior aumento percentual do desemprego, que passou de 5,9% para 7,3% da força de trabalho, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na média nacional, a taxa de desemprego passou de 7,2% para 7,9% entre o primeiro trimestre de 2014 e igual período deste ano. O Estado com maior nível de desemprego é o Rio Grande do Norte, onde ele já atinge 11,5% da população. A menor taxa é a de Santa Catarina – 3,9% da população ativa. No país todo, 7,9 milhões de pessoas estavam desempregadas no primeiro trimestre, 885 mil pessoas mais do que no mesmo período do ano passado.

Apesar de ter sido a região onde o desemprego menos avançou entre o primeiro trimestre de 2014 e de 2015 – de 9,3% para 9,6% -, o Nordeste foi o local em que os indicadores de emprego mostrados pela Pnad Contínua mais desaceleraram entre os períodos. Entre janeiro e março de 2014 e o mesmo intervalo deste ano, o crescimento da ocupação em relação aos mesmos períodos dos anos anteriores desacelerou de 4,8% na região para 1,5%. Na média do país, a passagem foi de 2% em 2014 para 0,8%.

Essa perda de fôlego, destaca Bruno Campos, da LCA Consultores, deu-se principalmente em virtude do desempenho da construção civil – setor em que o volume de ocupados, depois de crescer 6,3% no primeiro trimestre de 2014, recuou 2,8%, na mesma comparação – e do comércio – com desaceleração de 6,7% para 0,2% entre os dois períodos.

Os rendimentos se comportaram de maneira semelhante. Enquanto na média nacional a alta da renda média real de todos os trabalhos desacelerou de 3,8% para uma estabilidade nos três primeiros meses de 2015, no Nordeste a alta de 6,1% no primeiro trimestre de 2014 transformou-se em queda de 1,9% entre janeiro e março. Pernambuco foi o Estado com maior retração nesse indicador, de 7,5%.

Mesmo com as diferenças regionais, o economista ressalta que a tendência de aumento do desemprego sinalizado ontem pelo levantamento do IBGE é nacional, com desaceleração da geração de novos postos de trabalho e aumento da procura por emprego. "A tendência é parecida com a da PME [Pesquisa Mensal de Emprego], ainda que o nível seja diferente", pondera. Entre o primeiro trimestre de 2014 e o mesmo período de 2015, o desemprego avançou de 7,2% para 7,9% na Pnad Contínua e de 5% para 5,8% na PME (levando em conta a média do trimestre), um aumento de 0,7 e de 0,8 ponto percentual, respectivamente.

Para Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), os dados do Nordeste mostram que a taxa já alta de desemprego – próxima a 10% – reduziu o poder de barganha dos trabalhadores e levou à queda da renda que ainda não foi vista nos demais locais. "Na região, o ajuste está se dando via renda nesse momento", diz Moura. Ele avalia, contudo, que o movimento mais rápido de alta do desemprego já registrado na outras regiões – em três delas a taxa subiu acima de 1 ponto percentual – também chegará ao Nordeste neste ano.

Moura também considerou expressivo o aumento da taxa de desemprego no Centro-Oeste, uma região dependente da agropecuária, um dos poucos setores para o qual não se espera queda de atividade neste ano.

 

A economista Camila Saito, da área de cenários regionais da Tendências Consultoria, avalia que o Nordeste, por ser a região em que a economia cresceu de forma mais expressiva nos últimos anos – 3% ao ano entre 2009 e 2014, contra 2,6% da média nacional, de acordo com estimativas da instituição -, deve sofrer desaceleração forte neste ano. A Tendências projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) da região, depois de aumentar 1,5% no ano passado, suba apenas 0,1% em 2015.

Para ela, entretanto, o Sudeste vai ser a região mais afetada, já que concentra alguns dos setores mais expostos às "turbulências macroeconômicas" do período – o de máquinas e equipamentos, a construção civil e o automotivo. "Além disso, o tarifaço de energia elétrica e o racionamento de água devem afetar fortemente o desempenho do Sudeste", completa. Por isso, a estimativa para o PIB da região é de queda de 2,6%, desempenho ainda pior do que o previsto para o país, uma retração de 1,4%.

Os efeitos do Lava-Jato, ela avalia, deverão ser relevantes em ambas as regiões. No caso específico do Nordeste, pesam as demissões no estaleiro pernambucano Atlântico Sul e os cancelamentos dos projetos das refinarias do Maranhão e do Ceará. "Por outro lado, há importantes investimentos em maturação neste ano no Nordeste, como a primeira fase da refinaria de Abreu e Lima e a planta da Fiat em Pernambuco e a maturação de uma planta de celulose no Maranhão".

Além da geração mais fraca de vagas no primeiro trimestre, o IBGE destacou na Pnad Contínua a entrada de 1,7 milhão de pessoas na força de trabalho, que cresceu 1,7% sobre igual intervalo de 2014. No período, a população ocupada avançou 0,8%, com geração de 772 mil postos. "Há uma pressão no mercado de trabalho", afirmou o coordenador da pesquisa, Cimar Azeredo.

A oferta mais modesta de emprego em outros segmentos da economia, ele pondera, pode ajudar a explicar o crescimento do trabalho doméstico nos três primeiros meses deste ano. O segmento cresceu 1,5% em relação ao primeiro trimestre de 2014, passando a contar 6,019 milhões de pessoas. "Talvez por falta de oportunidades, vem crescendo esse tipo de ocupação", completou Azeredo. / Valor Online

COMPARTILHE!

Agenda de la construcción

julio/2021

Filtrar eventos

lun

mar

mie

jue

vie

sab

dom

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

29jul17:0019:00Quintas da CBIC: A Odisseia para importar aço no Brasil17:00 - 19:00 Virtual

Socios y Entidades Confederadas

Socios

 
Sinduscon-Porto Velho
Ademi – RJ
Sinduscon-Costa de Esmeralda
Sinduscon-PA
Sinduscon-JF
SECOVI- PB
Sinduscon-BNU
Sindicopes
Ademi – PR
Sinduscon-BC
SECOVI-PR
Sinduscon-PR
 

Marque aquí y consulte a nuestros socios

Entidades Confederadas

 
CICA
CNI
FIIC
 
yabancı film izle Tekne Kiralama betboo karın germe Estetik Ankara özel kurtaj meme büyültme retrobet vaporesso vdcasino vdcasino giriş vdcasino sorunsuz giriş vdcasino yeni giriş betpark giriş betgaranti kolaybet diyarbakır escort escort istanbul istanbul escort bayan
X