Temas
Mais lidas
Tema
Requisitos Gerais
Pergunta
Gostaria de saber o que deve mudar no memorial descritivo do projeto arquitetônico. Como ele deve ser apresentado a partir de agora? O que deve constar? Existem alguns exemplos que possam nos orientar?
Resposta
Os memoriais descritivos devem trazer informações detalhadas dos materiais e componentes a serem empregados na construção. Por exemplo, quando for especificada “alvenaria em blocos vazados” deve ser informado natureza e dimensões dos blocos vazados, características térmicas e acústicas requeridas, forma de assentamento (juntas preenchidas, em amarração etc), traços das argamassas de assentamento e revestimento, necessidade de vergas e contravergas, formas de vinculação com pilares e vigas, forma de fixação de peças suspensas, etc. Os memoriais descritivos devem ainda sempre fazer menção às correspondentes normas técnicas brasileiras (e, na sua inexistência, internacionais ou estrangeiras), pormenorizando o material que deve ser utilizado. Por exemplo, não basta especificar “porta de entrada em madeira”, havendo necessidade de estipular: a) Devem ser atendidas, nas suas versões mais atuais, as normas ABNT NBR 15930-1: “Porta de madeira para edificações – Parte 1: Terminologia e simbologia”; ABNT NBR 15930-2: “Porta de madeira para edificações – Parte 2: Requisitos”. b) O memorial deve conter quadro geral de portas, indicando ambientes, quantidades, modelos (uma ou duas folhas, com ou sem visor etc), estrutura da folha / tipo de núcleo (maciço, vazado, sarrafeado, tipo colmeia etc), dimensões de cada porta, sentido de abertura, acabamento das faces, características acústicas etc. c) O projeto / memorial devem indicar os correspondentes vãos nas alvenarias, a presença de vergas ou outros reforços, cota final, tipo e acabamento de soleiras, a forma de fixação de marcos ou contramarcos, etc. Ou seja, no exemplo citado há necessidade de conhecimento dos diversos tipos de portas existentes no mercado brasileiro e do domínio do conteúdo das normas técnicas referenciadas. Expressões genéricas como “piso antiderrapante”, “janela acústica”, “tinta resistente aos raios ultravioleta”, sem quantificação da característica mencionada devem ser evitadas a todo custo. Expressões como “manta asfáltica marca Vedatudo ou SIMILAR”, não podem ser utilizadas, podendo-se em casos específicos aceitar “produto tal ou com DESEMPENHO EQUIVALENTE”. Resposta de Ercio Thomaz
Autor da pergunta
Elvira Lantelme
Empresa
Capácitas DO Ltda
Arquivo
Ler resposta
Tema
Requisitos Gerais
Pergunta
Foi divulgado que a partir de 19/07/2013 já está sendo aplicável a construção de edifícios a NBR 15575, mas qual é o documento da obra que simboliza esse marco inicial? Protocolo na prefeitura/órgão competente ou data do alvará de construção?
Resposta
O documento que caracteriza a obrigatoriedade de cumprimento da norma NBR 15575 é o protocolo emitido pela prefeitura municipal onde fica registrada a data do recebimento do projeto para o qual foi solicitada aprovação. Ou seja, projetos cujos pedidos de aprovação foram protocolados antes do dia 19/07/2013 não precisam atender a norma NBR 15575, devendo contudo respeitar todas as demais normas técnicas e legislações vigentes. Resposta de Ercio Thomaz
Autor da pergunta
Patrícia Estevam
Empresa
CasaAlta Construções
Arquivo
Ler resposta
Tema
Requisitos Gerais
Pergunta
Como poderemos correlacionar a norma NBR 15575, para edificações empresariais?
Resposta
A norma NBR 15575 aplica-se tão somente a edificações habitacionais, ou seja, aquelas destinadas à moradia de pessoas. Segundo Dr. Carlos Del Mar (palestra no seminário Desempenho realizado no IPT nos dias 17 e 18/02/2014), o conceito de moradia pode ser estendido para os flats / apart-hotéis, mas não para os hotéis comuns, motéis e outras edificações em geral de curta permanência. Mesmo não se aplicando diretamente a prédios corporativos, escolas, hospitais e outros, a norma de desempenho parametrizará desempenhos térmico e acústico, estanqueidade à água e outras propriedades requeridas das edificações de qualquer espécie, particularmente a durabilidade. Assim é que, ao se exigir vida útil de projeto de no mínimo 50 anos para a estrutura de concreto armado de uma edificação habitacional, não há como não se exigir número igual ou superior para um edifício de escritórios, uma repartição pública, uma escola, um hospital, e até mesmo uma ponte ou um viaduto. Até mesmo pela inexistência de outras referências oficiais, a norma NBR 15575 deve balizar decisões jurídicas e orientar o meio técnico para o desenvolvimento de outras normas técnicas contemplando outros tipos / destinações das edificações. Resposta de Ercio Thomaz.
Autor da pergunta
danielle carla
Empresa
Po´rtico Esquadrias
Arquivo
Ler resposta
Todas as perguntas